quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

E QUANDO AS AUTARQUIAS TUTELAREM AS ESCOLAS...

Não sei se por influência do caso do Cerco, se por pura imitação da propaganda do "Magalhães".

Quando a educação é (for) tutelada por "especialistas", o abismo é (será) ainda maior!

Leia-se a notícia do jornal Região de Leiria:



Porto de Mós
31-12-2008


Câmara oferece pistolas de plástico a alunos do primeiro ciclo

Texto deCarlos S. Almeida

Uma pistola de plástico. Este foi o presente de Natal da Câmara de Porto de Mós a alguns alunos do primeiro ciclo do concelho. No início de Dezembro, a autarquia ofereceu uma ida ao circo, complementada com um pequeno presente. Entre os brindes entregues às crianças estavam pistolas de plástico, usuais nas brincadeiras de Carnaval.
O caso não agradou a alguns encarregados de educação. Célia Sousa, presidente da associação de pais da escola e jardim-de-infância do Juncal, e deputada municipal do PS, considera que este não é o brinquedo mais “correcto” para uma entidade pública oferecer. “Não é nenhum drama, mas entendo que a oferta de brinquedos deste tipo deve ser da esfera privada”, considera. O problema, entende, “é ser uma entidade pública a oferecê-la”. Aliás, confessa que num primeiro momento desvalorizou o facto. O seu filho foi contemplado com uma dessas pistolas mas o drama foi mesmo a pistola não funcionar, para desgosto da criança. Posteriormente, foi abordada por uma encarregada de educação que a alertou para a natureza do presente natalício. O marido, Luís Malhó, presidente da Assembleia Municipal de Porto de Mós, eleito pelo PSD, considera que se trata de “uma prenda de mau gosto”, entendendo que faria mais sentido “presentear as crianças com outros brinquedos”. Ainda assim, faz questão de frisar a necessidade de relativizar a questão, visando evitar que se entre em “histerias colectivas”. E não se furta a brincar com a fraca qualidade do presente: “era uma arma de plástico que nem sequer funcionava”.
Helena Arcanjo, coordenadora do primeiro ciclo do Sindicato de Professores da Região Centro, entende que o caso é sério. “É lamentável que um município tenha tido a infeliz ideia de escolher um brinquedo que embora faça as delícias dos rapazes, leve a brincadeiras com indícios de violência”, refere. Para esta responsável, a autarquia deveria ter escolhido um brinquedo com funções didácticas. Perante a falta de recursos que atingem as escolas, faria sentido oferecer brinquedos que pudessem ser um auxílio nas actividades enriquecimento curricular. Afinal, “é nestas idades que se desenvolvem comportamentos de bullying, devendo ser as entidades públicas a dar o primeiro exemplo”, reforça.
Já o Agrupamento de Escolas de Porto de Mós escusa-se a comentar o caso. Fonte do conselho executivo daquela entidade adiantou desconhecer a natureza dos presentes entregues às crianças, adiantando não ter recebido qualquer queixa.

Presente pouco natalício. Uma arma em plena festa religiosa? Para Isidro Alberto, pároco de Porto de Mós, esta é uma medida “anti-pedagógica”. É, entende, “levar as crianças a praticar violência simbolicamente”. O religioso soube pelo REGIÃO DE LEIRIA a natureza dos brinquedos oferecidos e adiantou que “se Cristo trouxe a paz entre os homens para que vivam pacificamente, usar armas que simbolizam a guerra e a violência é anti-natalício e desumano”.
Responsável pela pasta da Educação na Câmara de Porto de Mós, o vereador Rui Neves confrontado com o caso limita-se a adiantar: “não comento”. Adiantando que instituições de vários concelhos da região também ofereceram presentes semelhantes provenientes da mesma fonte – os brinquedos foram o resultado da compra de produtos de uma empresa que faliu – recusa qualquer declaração suplementar sobre o caso.

“Mulher de armas” na última campanha eleitoral discorda

Conhecida pelo facto do seu cartaz eleitoral na última corrida para a presidência da Câmara de Porto de Mós contar com um isqueiro em forma de arma, Maria Antonieta Mariano manifestou a sua oposição à oferta de brinquedos em forma de armas. Isso mesmo fez saber num comentário deixado no blogue portomosense “Vila Forte”, que denunciou o caso. “Depois eu é que sou uma mulher de armas”, ironizou.

In Região de Leiria

2 comentários:

Anónimo disse...

Anda tudo doido !!!não admira com um governo destes.
É só Buracos por todo lado e ninguém é preso...são todos inocentes.

Neste País ser ladrão compensa, fica uns mesinhos a dormir e comer gratis e depois tem milhões à sua espera

MFerrer disse...

Tinha que ser!:
A culpa é do governo! É que está-se mesmo a ver!
Mas estes professores estão de uma sensibilidade que faz dó:
Então uma pistola de plástico que atira setas com uma ventosa para um alvo, tudo de plástico colorido e com a menos força que o abraço de uma criança constitui algum perigo?
Andam a ver filmes e a ler histórias de terror.
De facto não parece ser um brinquedo muito didático mas as play stations e os jogos TODOS de violência que dão aos filhos de todas as idades é que são bons?
Culpa do governo!
Boa!
MFerrer

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page