terça-feira, 30 de setembro de 2008

LEIAM... E TIREM AS VOSSAS CONCLUSÕES

30 Setembro 2008 - 00h30

Discurso directo
“Regressamos à rua em Outubro ou Novembro”

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, falou ao CM sobre o sector da Educação.


Correio da Manhã – Pediram uma reunião de urgência com a ministra da Educação. O que pretendem discutir?

Mário Nogueira – A ministra andou a varrer o lixo para debaixo do tapete e não arrumou a casa. Existem vários pontos que estão a provocar uma insatisfação ainda maior nos professores, como os horários de trabalho ilegais, arbitrariedades e os procedimentos abusivos na avaliação de desempenho.

– Isso significa que vão voltar às jornadas de luta, com manifestações na rua?

– Se continuarmos como estamos, não será difícil prever que vamos regressar à rua. Nos próximos dias vamos sentir o pulsar dos professores, e o mais certo é regressarmos já em Outubro ou em Novembro.

– O facto de o aproveitamento dos alunos ter influência na avaliação e progressão dos professores não abre portas à falsificação de resultados?

– Não posso garantir que isso não vá acontecer, mas os professores são pessoas de bem e não vão abdicar nem colocar em causa valores éticos por causa dessa pressão do Governo.

– Que pressão é essa?

– A leitura feita pelos professores – e não só – é que há uma intenção de melhores taxas de sucesso e de aproveitamento escolar. Mais tarde, o Ministério da Educação e o Governo vão aproveitar números, dizendo que são resultado das suas políticas.

– A avaliação dos professores não era um assunto arrumado?

– Com o memorando de entendimento conseguimos que a maioria dos professores não fosse avaliada. Apenas cinco por cento o foi e mesmo neste pequeno grupo já temos centenas de queixas dos professores. Determinou-se que este seria um ano experimental, mas já se começou a perceber que se trata de um modelo pesado. Os professores ou passam o tempo a avaliarem-se uns aos outros ou a darem aulas.

In CM.

ROSTOS DA PROPAGANDA

Sem mais delongas, podem consultar aqui, no blogue do colega Ramiro Marques, outros rostos da propaganda: a Directora Regional da Educação do Norte.

Aí se transcreve o e-mail que a referida senhora enviou às escolas. À parte de alguns erros de acentuação e de pontuação, impróprios de uma Directora Regional de Educação, a propaganda funciona.

"E assi se fazem as cousas!"

SEM COMENTÁRIOS...

________________________________________________________________

Clicar na imagem para ampliar.


In Público (30-09-2008)

OS LIVROS DO PODER

Clicar na imagem para ampliar.

In Público (30-09-2008)

ESTÃO, NÃO... ESTAMOS TODOS LOUCOS!

É António Ribeiro Ferreira quem escreve este texto de opinião. Ainda há pouco tempo entrevistava a ministra, entre rasgados elogios que tanto fizeram desconfiar. Agora... é o que se vê, perdão, o que se lê:



Estado so Sítio

Estão todos loucos

“Cantando e rindo, com um ‘Magalhães’ debaixo do braço, as crianças irão felizes para a escola de sonho, sem exames e sem chumbos”.

[...]Uma ministra que, diga-se em abono da verdade, tem um sonho que mostra definitivamente como o sítio não só é pobre, manhoso e cada vez mais mal frequentado mas como está a resvalar perigosamente para a loucura.

O sonho da ministra da Educação é acabar com os chumbos, perdão, as retenções. E assim, cantando e rindo, com um ‘Magalhães’ debaixo do braço, as crianças irão felizes para a escola de sonho, sem exames e sem chumbos.

Todo o texto no CM.

UMA REFLEXÃO DIRIGIDA AOS DOCENTES

Partilha de uma reflexão dirigida aos Docentes do
Agrupamento Vertical de Escolas de Pedrouços – Maia



O grupo de Professores que no presente ano lectivo continua a representar-vos no Conselho Pedagógico, bem como, todos aqueles que pela inerência das suas funções também fazem parte, incluindo a sua Presidente, decidiu elaborar a presente reflexão.

Como vossos legais representantes, eleitos democraticamente, é chegado o momento de partilharmos os problemas que se tem vindo a arrastar, desde o ano lectivo transacto, sobre a avaliação de desempenho.

Fomos eleitos para o triénio 2007- 2010 sem fazermos a mínima ideia que teríamos de pôr a máquina da avaliação a funcionar, porque esta não avançará com centenas de decretos e despachos, mas, com pessoas de carne e osso que vêm à Escola diariamente, com vontade de trabalhar com os seus alunos, e, que desta forma terão que passar a ser super-homens e super-mulheres.

O trabalho do Professor não só se limita à preparação e realização de todo o processo de ensino e de aprendizagem, mas, a toda a panóplia de actividades e funções que põem esta pesada engrenagem, que é a Escola, em funcionamento. Porém, agora acresce esta “avaliação” cujo modelo nos recusamos a comentar, pois já o fizemos em muitas das reuniões de Conselho Pedagógico, tendo sido infrutífero, todo o nosso esforço.

Trabalhámos!

Respondemos a todas as solicitações e cumprimos!

Sempre para ontem, porque no aqui e agora. já era preciso fazer outra coisa e outra!

Em Julho, enquanto encerrávamos o ano lectivo, muitos de nós frequentavam acções de formação, porque tínhamos resmas de papéis, e ninguém sabia nada sobre eles. No mesmo mês avançavam calendários comprometedores sobre a avaliação, como por exemplo, os PCT terem que estar prontos até meados de Outubro. E então questionávamos: E a avaliação diagnóstica? E o conhecimento dos aspectos sociais e familiares dos alunos, cujos Directores de Turma num espaço de um mês, por certo, não conseguirão conhecer nem reflectir sobre estas problemática? Mas, parece que este trabalho finalmente e verdadeiramente envolverá todo o conselho de turma.

E, voltamos a questionar, quantas reuniões serão necessárias para que cada conselho de turma faça um estudo sério e ajustado das necessidades de cada aluno? Com definição de estratégias e planos de acompanhamento? Ou será que se pretende que fiquem claros apenas no papel, e não passem de planos de intenção?

Quiçá, porque o objectivo principal será a avaliação dos professores?

E sobre a distribuição do serviço lectivo que em Julho ninguém pensava nela? Aconteceu o inesperado : professores avaliadores, a acumularem com funções de Directores de Turma ou ainda com outras.

Como será possível acumular estes cargos tendo a mesma componente lectiva?

Como será possível elaborar o PCT com correcção para que a partir daí sejam adaptados os objectivos da Escola, constantes no Projecto TEIP, e consequentemente na definição dos objectivos individuais dos Professores. E, ainda durante o primeiro período assistir a aulas, cumprir com todo o trabalho pedagógico,tomar parte em reuniões, participar em actividades, e avaliar os alunos no final. A mesma catadupa atrás referida se repetirá no segundo e terceiro períodos. Ainda exigem que a nossa missão se prolongue a reflectir, a elaborar portfólios e a contar pelos dedos em quantas actividades participámos, porque os números é que interessam!

E onde ficam os nossos alunos, os seus interesses e os seus problemas ?

Não será que o papel de primazia da Escola de formar, educar e orientar indivíduos está a ser relegado para outro plano?

E os pais estarão a perceber em que é que se vai tornar a Escola pública?

Todos nós temos responsabilidade, por isso, é que estamos a fazer esta reflexão, para que a Comunidade Educativa fique a saber que estamos atentos mas, impotentes.

Ninguém ouve os professores, nem os seus legítimos representantes no jogo político, será que estes estão amordaçados, ou será então o quê?

Não esperamos respostas, mas que nos compreendam, porque esta avaliação será aquilo que todos quisermos que ela seja.

Ainda somos detentores da missão educativa de formar crianças, adolescentes, vamos continuar esse trabalho e vamos fazer deste modelo de avaliação aquilo que ele merece!

Que sejamos solidários, que saibamos partilhar sem ilusões loucas que somos melhores uns que outros, apenas diferentes! Pessoas a quem foi dada a responsabilidade de fazer da Escola o que ela tem que ser: o local onde se aprende se cresce com valores e competências, e se formam as gerações vindouras que vão dar seguimento ao peso histórico do nosso povo, da nossa cultura e dos nossos valores.

Os abaixo assinados:




(Recebido por e-mail, com anexo .doc, do qual se fez a cópia exacta que aqui se publica).

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

PROFESSORES SOFREM

Reportagem: histórias de «professores que sofrem»

Na semana que antecede o Dia Mundial do Professor, cinco casos que servem de ponto de reflexão

«Professores que sofrem» é uma série de reportagens do PortugalDiário que vai preencher toda esta semana, antecedendo o Dia Mundial dos Professores, que se assinala, por consignação da UNESCO, no próximo domingo, dia 5 de Outubro.

Numa altura em que o ano lectivo já arrancou, apresentamos cinco histórias de vida complicadas, demonstrando que, apesar dos bons indicativos apresentados pelo Governo, ainda muito trabalho há a fazer, sendo a classe docente a que apresenta um maior número de queixas em relação à sua actividade.

São casos de doença, injustiça, incompreensão, má colocação, pobre avaliação e até fobia. O ponto de partida é de mera reflexão, apresentando testemunhos que poderão abrir portas a outras situações relatadas na primeira pessoa.

Esta terça-feira, a revolta dos professores com pós-graduação em Educação Especial, que, por não terem cinco anos de experiência, estão desempregados, enquanto crianças com necessidades educativas especiais ficam sem o apoio devido. A revolta cresce perante o vazio legal.

Na segunda-feira revelámos a história de Maria, uma professora do 12º ano que luta contra a intolerância na escola, a falta de reconhecimento pelo bom trabalho feito com os alunos e o actual sistema de avaliação. Para além disso, ainda tem de viver com um linfoma, que lhe reduz as perspectivas de vida. Nunca pensou em desistir de leccionar, porque sente que dentro da sala de aula o cancro como que «desaparece».

In Portugal Diário.

SETE É O NÚMERO PERFEITO

Processo de avaliação do desempenho

Professores: 7% recebem nota elevada

Sete por cento dos 12 mil professores que foram avaliados no ano lectivo 2007/2008 obtiveram a classificação de “Muito Bom” ou “Excelente”.

Em comunicado, o Ministério da Educação (ME) indicou que “o grupo de docentes com classificação ‘Regular’ ou ‘Insuficiente’ representa uma percentagem insignificante”, mas não adiantou números.

O sistema de avaliação de desempenho docente teve início no ano passado para os professores contratados e dos quadros em condição de progredir na carreira.

Aos professores avaliados foi aplicado um regime simplificado, acordado entre o ME os sindicatos, e baseado em quatro critérios: ficha de auto-avaliação, nível de assiduidade, cumprimento do serviço distribuído e acções de formação.

Os docentes que foram avaliados com as notas ‘Regular’ ou ‘Insuficiente’ terão de ver estes resultados confirmados com nova avaliação, antes sofrerem as penalizações previstas.

Os dados foram anunciados no dia em que a Federação Nacional de Professores (Fenprof) pediu uma reunião com a ministra Maria de Lurdes Rodrigues, para debater aquilo que designa como o clima 'muito negativo' que se vive nas escolas, nomeadamente sobre o processo de avaliação de desempenho, que já terá motivado a apresentação de mais de 500 queixas.

In CM

EXIGÊNCIA DAS ESCOLAS

Escolas querem notas dos alunos fora da avaliação

Professores reclamam suspensão do parâmetro com base numa recomendação do CCAP

Há escolas que se preparam para pedir a suspensão do parâmetro referente aos resultados dos alunos na avaliação de desempenho, com base num documento produzido pelo Conselho Científico para a Avaliação de Professores.

Uma escola de Vila Real poderá enviar para o Ministério da Educação um abaixo-assinado defendendo a suspensão do parâmetro B (resultados escolares). No Estoril há outra. Há também um caso, na região Centro, cujo Conselho Pedagógico se recusou a aprovar os instrumentos de avaliação e os professores, em reunião geral, se preparam para pedir a suspensão do processo.

Os sindicatos não identificam os estabelecimentos para não os sujeitarem a "pressões antecipadas" da tutela. Dizem que nas escolas se vive "um clima de medo", e que o processo de avaliação está longe de ser tranquilo. "Até ao final do ano, o movimento voltará a ser nacional", garantiu, convictamente, ao JN Carlos Chagas, presidente do FENEI/Sindep.

"Quando os professores perceberem que o seu esforço é inglório e que a avaliação - da qual depende a sua progressão na carreira - resulta de uma apreciação subjectiva reagirão de forma consistente e nacional. Não tenho dúvidas", insistiu.

No "mail verde" que criou para acompanhamento do processo, a Fenprof já recebeu mais de 500 queixas, em quatro meses. "E a procissão vai no adro", comenta ao JN Mário Nogueira.

"Há escolas que definiram metas de sucesso, por exemplo de 80%, e se o professor não a cumpre é penalizado na avaliação. É inaceitável", afirma o secretário-geral da Fenprof, que tal como a FNE e o Sindep recusam, liminarmente, que os resultados dos alunos façam parte dos parâmetros de avaliação de desempenho.

O CCAP recomenda que os resultados sejam "uma responsabilidade partilhada pela escola e pelo docente". Já a Associação Nacional de Professores, não discorda com o princípio desde que não se focalize nas notas. "Há testes padronizados aplicados aos alunos, muito usados nos EUA" que podem medir "a evolução da aquisição de conhecimentos", defendeu João Grancho. O problema, insistiu, "é que as escolas ainda não têm uma cultura de avaliação. É preciso tempo e formação, que não se centre na divulgação do diploma legal, mas na organização prática do processo" .

VAMOS VER NO QUE DÁ

FENPROF EXIGE REUNIÃO COM MINISTRA DA EDUCAÇÃO

Para a FENPROF, o insustentável clima que se vive nas escolas exige reunião urgente com a Ministra da Educação

Nem as sucessivas iniciativas de propaganda que, pelo país, têm sido promovidas conseguem disfarçar o clima muito negativo que se vive nas escolas.

Horários de trabalho ilegais, arbitrariedades e procedimentos abusivos no âmbito da avaliação de desempenho (que acrescem ao próprio problema, gravíssimo, que é o modelo de avaliação imposto) e, ainda, a instalação do novo modelo de gestão são, apenas, três componentes de um contexto que tem feito aumentar o mal-estar, a insatisfação e o protesto dos professores, para além de estar a criar graves dificuldades ao normal funcionamento das escolas.
Neste momento de início de ano lectivo, em que os professores tanto necessitavam de se concentrar na sua actividade com os alunos, as pressões que recaem sobre eles são de tal ordem fortes que a sua disponibilidade, para o que seria fundamental, fica muito limitada.
A Ministra da Educação não pode continuar a ignorar esta situação e a fazer, apenas, o mais fácil que é envolver-se nos "shows" mediáticos montados pela máquina de propaganda do Governo e fingir que, de resto, tudo decorre dentro da normalidade.
A Ministra da Educação é a responsável política pela situação que se vive nas escolas, tanto mais que, no que concerne à avaliação, estamos perante um modelo apenas defendido por um Ministério que já começou a "sacudir" responsabilidades para os órgãos de gestão das escolas; no que respeita aos horários de trabalho, muitas das violações à lei, que foram registadas nas escolas, decorrem de orientações ilegais divulgadas pela DGRHE/ME em documento que se encontra na sua página electrónica.
É neste quadro tão negativo - em que se referem apenas alguns dos aspectos de maior relevo - que a FENPROF considera indispensável confrontar a Ministra da Educação no plano político e exigir medidas que permitam superar os problemas que afectam as escolas e os professores. Nesse sentido, foi entregue, hoje, no Ministério da Educação, um pedido de reunião com a Ministra a realizar com carácter de urgência. Seria uma irresponsabilidade a recusa desta reunião, ou o seu adiamento para mais tarde.

O Secretariado Nacional da FENPROF

29/09/2008

AVALIAÇÃO IRRELAVANTE... E COM TANTO TRABALHO

Conselho alerta para o risco de a avaliação ser "irrelevante"

"O Conselho considera que, a par das oportunidade que se abrem, como é próprio dos processos de mudança, se corre o risco de a avalição se constituir num acto irrelevante para o desenvolvimento profissional dos docentes, sem impacto na melhoria das aprendizagens dos alunos que conviria evitar desde o início".

O alerta não consta de um comunicado emitido por um sindicato de professores, mas dos "Princípios orientadores sobre a organização do processo de avaliação do desempenho docente", documento produzido pelo Conselho Científico para a Avaliação de Professores (CCAP), criado e tutelado pelo Ministério da Educação.

O Conselho alerta para os riscos da burocratização excessiva e recomenda às escolas que organizem "um dispositivo de avaliação congruente com o projecto educativo e o plano de actividades das escolas".

O problema é que muitas escolas ainda não alteraram os seus projectos educativos a partir dos quais serão definidos os objectivos individuais dos docentes, garante João Grancho. "Já perdemos muito tempo no braço de ferro sobre a aplicação do modelo no ano lectivo anterior", lamenta o presidente da ANP, considerando que a insistência do Ministério da Educação "em queimar etapas" só prejudicará avaliadores e avaliados.

O CCAP recomenda às escolas que durante este ano lectivo, aprofundem "os instrumentos de monitorização das aprendizagens, de forma a consolidar uma cultura de avaliação e estar em condições de interpretar os indicadores de resultados escolares".

In Jornal de Notícias.

A DESPROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE

A desprofissionalização e/ou proletarização da Docência interessa à classe dominante. Desqualifica o seu trabalho aos olhos da opinião pública para lhes poder pagar menos e assalariar, sem horário definido e sem direitos claros e objectivos. É o que se passa hoje! Não acreditam? Investiguem! Foi assim no Estado Novo com as Regentes, que substiuíam as Professora primárias. É hoje, com um Horário pós-lectivo muito pouco claro, que pode chegar às 40 ou mais horas semanais.

Por outro lado, os poderosos precisam de subalternizar a Classe profissional mais informada. Os professores são a massa cinzenta e crítica de um País. São alvos a abater! Pensam! Têm a informação do seu lado. Na Formação que realizaram aprenderam a ser críticos e reflexivos. São competências perigosas!

Os Professores foram a primeira classe profissional a ser perseguida em 1928 (ou 1936, por altura da Reforma do Ensino Secundário). Estavamos em pleno Estado Novo!

Basta ler as “Estórias da História” e ver as semelhanças!

Também se se apostar na imbecilização dos Jovens com “Falsas Oportunidades” conquista-se a opinião pública e alimenta-se a mediocracia! Ou seja, em vez do poder efectivo do Povo (Democracia) aposta-se na Propaganda. Faz-se política na TV, enquanto se deveria fazer cidadania nas Escolas (se é que me entendem!?)

A perseguição faz-se hoje através de uma Avaliação incompreensível, que ainda ninguém percebeu exactamente como se deve operacionalizar. Faço um desafio: perguntem aos Professores e aos maiores entendidos neste Modelo de Avaliação COMO SE PÕE EM PRÁTICA ESTE MODELO? Vão ter muitas respostas, muitas delas desencontradas e com muitas dúvidas à mistura. Não há o mínimo de objectividade nem de Justiça neste processo todo.

Agora pensem: COMO SE DEVEM SENTIR OS PROFESSORES QUANDO ESTA AVALIAÇÃO INCOMPREENSÍVEL VAI DECIDIR SOBRE O SEU DESTINO PROFISSIONAL???

Estou preocupado com tudo o que se está a passar nas Escolas e na política (na gestão pública das coisas), porque a política é (deve ser) isso mesmo: A GESTÃO DA POLIS e não a GESTÃO DA IMAGEM MEDIÁTICA.

Pedro Vargas


(Recebido por e-mail)

domingo, 28 de setembro de 2008

A VOZ DE QUEM COMENTA

A entrada Copy Paste foi das mais visitadas e mais comentadas. Colocada no Sábado, dia 26, às 23:19h, em quatro dias houve mais de 30.000 visitas exclusivas a esse "post".

Tendo em conta que nem todos os visitantes dão atenção aos comentários, aqui fica o destaque e o agradecimento a todos(as) aqueles(as) que se dignam partilhar as suas opiniões e histórias connosco. E a alguns deve ser dada grande atenção.

Os comentários a esta entrada que entretanto chegarem serão aqui adicionados.


Anónimo disse...
No final do ano lectivo, com os professores com contrato foi tudo copy paste. Obviamente.
E agora será igual. Copy e paste.
Todos sabemos que isto nada tem a ver com qualquer tipo de avaliação profissional. Será simplesmente copy paste. E amiguismo de interesses pessoais.

Anónimo disse...
O problema desta capacidade de simplificação e adaptação às aberrações só vem ajudar o ME. No final do ano, depois de todo o nosso calvário, virão vangloriar-se de, como dizem, pela primeira vez se ter feito a avaliação dos professores!
É muito triste não termos capacidade de reacção e estarmos a contribuir para a sua campanha eleitoral.

Fátima Inácio Gomes disse...
Nem mais!!! concordo absolutamente com o anónimo acima! Eu recuso-me a compactuar com um sistema vergonhoso... é destruir de raíz o pouco que nos resta: a dignidade!

Mónica disse...
Apenas quero deixar o meu descontentamento por não termos tido aproveitado a nossa luta de uns meses atrás. É pena sermos instrumentos políticos inactivos!!
Amo a minha profissão e quanto ao resto vou ignorar antes que me tirem o único neurónio que me resta.

José Canaveira disse...
Palavras para quê?? Alguém ainda acredita nesta avaliação? Como dizia Ramiro Marques, isto é um monstro que está a consumir energia a todos nós professores, e que nos vai faltar para o que é importante - a dedicação às actividades lectivas e aos alunos. Só me espanta é que colegas nossos consigam ainda complicar mais, o que à nascença já nasceu deformado. Quando perderemos a paciência?????

Anónimo disse...
Isto é tudo muito engraçado para passar o tempo, tipo palavras-cruzadas ou algo assim, só que copiado. Para mim não será a primeira vez,portanto... Exercendo a profissão, não posso deixar de nos criticar: Ser professor é ser estúpido! (assumo a minha parte)Os médicos, os advogados têm Ordens e não temos porquê? Porque estamos demasiado entretidos com as lutazinhas internas; quem trabalha mais, quem faz ronha, dizer mal dos colegas... somos básicos, acéfalos e temos o que merecemos. Raios partam, mas ninguém é NADA na vida sem passar por um professor!! E permitimos isto... é para rir de tão dramático.

José Hermínio Oliveira disse...
Pró-ordem 100%
Concordo absolutamente com o colega anónomo acima, por uma questão de princípio, mas tanto mais porque os nossos sindicatos já não são representativos da 'classe' profissional.
Por mim, agora que encontrei o "Copy Paste", já me é mais fácil continuar a ser professor e dar de barato a história desta (pseudo)avalição. Pena que tantos colegas, que a contestaram vivamente, agora a queiram cumprir exactamente nos termos propostos pelo ME, ou de forma ainda mais complexa e patética, apesar da hipótese de a simplificar bastante...

cris disse...
Eu não serei avaliada. Se isto é uma "guerra" tenho , como nessa situação, o direi a ser objector de consciência. Se todos fizéssemos isso, a guerra acabava pois não haveria soldados nem oficiais para "contar espingardas".

Anónimo disse...
Fantástico nunca imaginei ter de consumir tanto papel "Era do Plano Tecnologico"! Afinal o Magalhães não é para todos!!

Anónimo disse...
Fantástico nunca imaginei consumir tanto papel na "Era do Palno Tecnologico"!!

Jorge Magalhães disse...
É UMA VERGONHA!!! Já não há prodessores como antigamente!!! No meu tempo eles eram os Srs da aldeia:) Com este governo, a classe está a ficar de rastos:) Será que o (Eng.) Sócrates sabe o que é ser professor. Professor é quem educa é amigo etc... Todos, que não são professores, sabem dar opinião na educação. Será isso que é ser professor? De uma vez por todas têm que unir-se e não compactuar com estas vergonhas que este maldito governo quer implementar que não levam a lado nenhuem. Cada vez temos mais analfabetos letrados no país!!!

Anónimo disse...
Estamos a caminhar para uma igualdade anquilosada...onde nos levará?

Anónimo disse...
Caminhamos a passos largos para uma igualdade anquilosada...onde iremos parar?

Anónimo disse...
Caros colegas
Entrei para o ensino já lá vão uns bons trinta anos, nunca vi nada igual e como não espero melhoras, pelo contrário, vejo tudo muito negro, perdão, rosa, vou embora do ensino para não me sujeitar à palhaçada da avaliação.

Anónimo disse...
Colega,
Que inveja tenho de si!
Se eu fosse um bocadito mais novo, mandava isto às urtiga.
E que tal alguém oferecermos um ramo de urtigas à ministra?

Anónimo disse...
Isto já não está no caos.
Chegámos ao holocausto... e tudo continua tranquilo!

Vítor Ramalho disse...
Como pai e como Presidente de uma Associação de Pais estou com os professores nesta luta, que é de todos nós.
O ano passado os oportunistas dos sindicatos, venderam-se ao governo e desmobilizaram os professores. Este ano é preciso manter a independência para vencer o combate.

Francisco Cantanhede disse...
- Começo as aulas às 8h15, termino às 13h25, vou almoçar, às 14h reunião de Departamento, às 16h reunião de Conselho Pedagógico, às 19h sinto uma forte indisposição, dirijo-me ao Centro de Saúde: os valores da tensão são altíssimos. O médico questiona-me: "É professor? Tenha cuidado!"
- A minha filha chega a casa e comenta: "Pai, a minha professora de Matemática faltou hoje e parece que tão depressa não vai voltar... Foi-lhe diagnosticado síndrome vertiginoso, consequência do stresse. Já no ano passado, outra professora de Matemática teve um AVC durante a aula e a terceira professora de Matemática teve uma depressão. O que se passa afinal com os professores?" Respondo-lhe: "Filha, eu sou culpado... Votei PS!", "Nas próximas eleições, cá em casa ninguém vota PS!", "Até lá, muitos professores sofrerão AVC's, depressões, esgotamentos, hipertensão..."

Anónimo disse...
uma ideia para bloquear o sistema: durante este ano lectivo, em dias a combinar, todos (todos!) os Professores faltavam ao abrigo do artigo 112, e todos entregavam um bonito e pomposo plano de aula. era a melhor homenagem à criatura que comanda os destinos da educação...

Anónimo disse...
Sinceramente, desde há muitos anos que deixei de sentir que pertenço a uma classe profissional verdadeiramente digna. Muitos dos comentários precedentes, com o devido respeito, só o confirmam. Entre os docentes, está na moda dizer mal dos sindicatos, quando foram os professores que se distribuiram por dez ou onze sindicatos divisionistas. É uma vergonha a quantidade de sindicatozinhos que OS PROFESSORES criaram! Agora falam mal dos sindicatos mas nunca ou raramente participam em reuniões sindicais. Têm sempre muito que fazer... Agora querem uma ORDEM. Tenhum juízo! Não vêem que é mais uma forma de divisionismo? Quando os professores se agacharam com medo da requisição civil feita quando da greve aos exames nacionais, mostraram bem de que matéria são feitos. Há 34 anos escolhi ser professor porque sempre gostei de ensinar. Nestes últimos anos arrepedi-me mil vezes de o ter feito, não exactamente por causa deste inqualificável governo, mas por causa desta classe profissional incapaz de distinguir o essencial do acessório, incapaz de fazer vergar o Ministério. E não era difícil fazê-lo... Bastava um pouco de unidade!

Teresa (Penafiel) disse...
Gostaria de passar este ano lectivo, como todos os outros 10 que estão para trás, ocupada com a preparação de aulas e com aquilo que mais gosto de fazer que é ENSINAR/EDUCAR e não stressada com estas burocracias e indisposições desta avaliação! Adorei esta ideia do copy paste...

Joaquim disse...
E os 100000 em Lisboa? E os sindicatos? E tratar igualmente o desigual! E os profs que se vão embora por não quererem aturar isto! Vamos todos embora! O governo alcança a meta: por cada 2 que saiam só se admite 1. 1 titular 14 horas lectivas, 1 professor 22.
Contra a corrente: penso que o copy paste é um bom xanax para quem tem de fazer o PDP.
J. Sá-Valongo

Anónimo disse...
A tensão que o meu agrupamento está a imprimir com a planificação está a deixar-me angustiada. Já não tenho um sono tranquilo e a prática de educador de infância é compartimentada pelas rígidas planificações. Até no pré-escolar!!!!

Anónimo disse...
De facto não posso deixar de concordar com o colega que põe a tónica da nossa fraqueza no divisionismo da classe. Dividir para reinar foi sempre o lema dos cangurus políticos. Porém caros colegas, só temos o que criámos e não se revoltem contra a criatura porque a criatura fomos nós. Agora podemos dizer "basta de tanta prepotência e arrogância" do sr.engenheiro e da sra. ministra.Não votar no P.S. é a única arma que nos resta e ainda contribuimos para a sanidade deste pobre país.

Anónimo disse...
A tensão que o meu agrupamento está a imprimir com a planificação está a deixar-me angustiada. Já não tenho um sono tranquilo e a prática de educador de infância é compartimentada pelas rígidas planificações. Até no pré-escolar!!!!

Anónimo disse...
O ano passado, os contratados foram o bode expiatório e ninguém fez nada...Agora, os supostos titulares querem fazer o copy paste pk n são capazes de fazer sozinhos!!
Enfim...acho q todos devem trabalhar e não estarem sempre a reclamar!!

Anónimo disse...
O Anónimo "de corrida" a pugnar pela pela Ordem, está de volta, (ninguém mexe com os médicos ou advogados, por mais inveja que tenhamos, eles foram espertos). E para dizer apenas que este tipo de comentários apenas ilustra o que disse antes: preferimos combater-nos uns aos outros do que olhar para o verdadeiro problema. Sindicatos??? Os tais que ajudaram à criação de professores de 1ª e de 2ª? Os tais que nem consideram professores os que acabam de fazer o estágio e não têm hipótese de exercer? Ou os colegas também acham que quem dedica tantos anos a estudar e a profissionalizar-se sem poder dar aulas não é professor de direito? Os tais que se vendem por mais uns lugarzinhos para os amigos depois de nos manobrarem e fazermos grandes manifestações de... estupidez??? A única arma que temos mesmo é o voto, como diz um colega. Mas mesmo esse já está sabotado. Depois da tempestade a bonança. Nada como um bom copy/paste para lhes dar menos trabalho a ler. Lutar contra vermezitos destes é mostrar falta de dignidade, de amor próprio, de brio profissional.
Quando vi quem constituía a tal Comissão para a Reforma Educativa, ou estudo parecido no Verão passado, fez-se luz no meu cérebro e os ídolos/as nem de barro tinham os pés, estavam vendidos, de joelhos. Se nos minam, porque não miná-los com as armas que nos dão? Vamos todos como uma carneirada mansinha copiar e colar, lixem-se! Ou vão dar um dia de aulas para dsenjoar de tanta invenção da caca...

LMB disse...
Viva a Milú!!!
Tá tudo à rasca, paciência!
Uns dizem que já não vão votar mais PS. Coitados pensavam que era sensato votar PS?
Os erros pagam-se caro!
Se calhar vai votar PPD/PSD que como todos sabemos é muito bom!
Ou talvez CDS, apesar de não serem peixeiras tb deve ser mto acertado!
PCP ou BE tb se recomenda. Só se for para tirar votos aos outros. Cuidado com o BE que o PS ainda pode dar um tacho a um deles e depois eles ficam caladinhos. Vejam o Zé que já não faz falta!!
Mas voltando aos teatchers, estou cheio de pena!
Eu, por acaso tb sou. Isso não quer dizer que esteja com pena dos meus colegas, posso, quando muito, lamentar por mim.
A sinistra, desculpem, a ministra exige um dedinho e, neste momento, os pobres e atormentados professores estão a exigir a eles próprios e, pior, aos seus "subalternos" não só a mão como mesmo o braço e, se não ganharem juízo, até outra coisa que fica por trás das calças eles lhe dão.
Chorem, chorem mto que se não se assumirem como pessoas adultas ainda vão chorar mais.
Eu às vezes até me dá vontade de rir ao ver a aflição dos meus colegas. Quando, há uns anos, ainda em mais ou menos regime democrático, eu protestava, recusava-me a fazer coisas com as quais não concordava, chamava as coisas pelos seus nomes, etc., chamavam-me contestatário, gajo sempre do contra etc.
Agora, queridos, amanhem-se.
Segundo consta eu sou, como titular, brrrrrr -desculpem mas fico sempre agoniado quando profiro esta palavra - 2º avaliador. Não sei em que isso consiste. Tb ainda não estou interessado. quando me exigirem qq coisa logo trato de dar resposta da forma que achar adequado.
Quase todos os avaliadores, neste momento, se encontram em alto stress e, pior, a stressar os outros.
Malta, façam como eu, quando vos chatearem digam: cool man, e vão protelando a coisa.
Entretanto, em vez de tornarem mais papistas do que o papa, levantem questões, nomeadamente de interpretação dos itens.
Coloquem questões ao ministério sobre como avaliar certas questões em certos contextos reais ou fictícios.
Façam como o ministério que não faz as coisas na altura certa, tipo, fornecer o programa do 10º ano dum curso profissional no ano a seguir, isto é, quando os alunos já estavam no 11º!
Melhor ainda, CRESÇAM, sejam ADULTOS.
O facto de passarem mto tempo com crianças ou adolescentes não é caso para se comportarem como eles.
Perceberam ou é preciso um desenho?
O grande mal da classe docente é, no meu entender, consequência de a grande parte dos profs. ter passado de aluno, na faculdade, para professor sem passar pela vida real dos adultos.
Melhor exemplo da infantilização que grassa na classe dos profs, foi o comportamento tristemente pueril na manif dos 100 000.
Eu estive lá e tive de me conter para não desatar a insultar todos os atrasados mentais dos diferentes sindicatos que lideravam os grupos, gritando pateticamente, palavras de ordem idiotas que mais parecia a educadora de infância à frente das criancinhas quando em fila indiana, vão na rua para qq visita.
Foi triste. Em plena Av da Liberdade, com a população a apoiar-nos, eu senti a maior vergonha da mina vida. O pateta e a pateta do sindicato gritavam qq coisa e os patetas dos meus colegas com bandeirinhas e muito sorridentes, repetiam a alarvidade. Depois os sindicalistas trocavam a ordem das frases para induzirem o erro e, naturalmente as pessoas enganavam-se. Nessa altura a risota alarve, acontecia!
Fez-me lembrar a canção do "meu chapéu tem três bicos" que na 1ª classe a minha professora cantava connosco!
Eu não condeno os sindicatos. Eles fazem o papel deles.
Uns são oportunistas -lembram-se da carrada de gajos que estavam nos sindicatos sem dar aulas e, quando a sinist, sorry, a ministra os mandou de volta à escola, não tossiram nem mugiram? - e outros são ingénuos e, ou idiotas.
Condeno os alegados adultos que os seguem acriticamente.
Para finalizar e, mais uma vez, CRESÇAM, sejam ADULTOS.
L. Braga

lmb disse...
"A tensão que o meu agrupamento está a imprimir com a planificação está a deixar-me angustiada. Já não tenho um sono tranquilo e a prática de educador de infância é compartimentada pelas rígidas planificações. Até no pré-escolar!!!!"
Ó colega, não se deixe abater. Mande o seu agrupamento à merda, seja adulto, chame os bois pelos seus nomes.
Se mesmo assim não for capaz fume uma broca ou, se for contra, mta um xanax que faz pior mas é legal.

lmb disse...
Esta do copy/past é mesmo digana de putos. Só em corroborar a minha avaliação - infantilização - dos profs.
Haja paciência!

Anónimo disse...
Só para esclarecer o 1º anónimo que comentou...Sou contratada há 12 anos e no fim do ano lectivo anterior, não recorri ao copy e paste. Não meta tudo no mesmo saco! E mais, alguém se preocupou com a avaliação dos contratados??? Nope! Pois... Os descartáveis que se desenrascassem! O problema da nossa classe é que todos olham para o umbigo!

Anónimo disse...
Complementando o comentário anterior.. eu gasto tanto tempo com as burocracias e afins que alguém terá que vir dar as aulas por mim... sou muito inocente, sou.
Inventem o que inventarem, o que é preciso é CUMPRIR. Cumpramos com minúcia. Venha quem dê as aulas, como se isso interessasse a alguém...

Anónimo disse...
TITULAR AVALIADOR
Caros colegas anónimos, o perigo ronda e está mais perto de vocês do que pensam. Dei por mim numa sessão de formação para titulares avaliadores, a ouvir o que não pensava ser possível. Colegas avaliadores já imbuídos do espírito da missão e que já falam em dar seriedade ao processo para o credibilizar. Estamos perdidos . . .

Marie Evelyne disse...
Gostei do comentário do LMB, gostei mesmo, pois ele põe o dedo na ferida. Se estamos nesta situação, só a nós o devemos.
Só lamento que alguém com essas opiniões se tenha deixado levar e tenha participado "naquela" manifestação de que se orgulham tanto os milhares de colegas que nela participaram. Como é que alguém pensa que pode mudar o rumo das coisas com uma simples manifestação e, ainda por cima, ao Sábado. Ao Sábado!!???
Isto para não dizer que a grande maioria dos professores participou nela para ir passear com os amigos a Lisboa e fazer as tristes figuras que fizeram... a cantar como se estivessem a animar crianças no infantário...
Inicialmente, fiquei um pouco arrependida por não ter ido, pois pensei que não estava a colaborar na reivindicação. Mas depressa deixei de me arrepender. Não fui, principalmente, porque não creio que estes problemas se resolvam com simples manifestações. É preciso acções muito mais radicais do que estas, MUITO MAIS. Infelizmente não me parece que lá cheguemos com os sindicatos que nós temos, pois, apesar de ser sindicalizada, não vejo neles qualquer acção nem atitude realmente reivindicativas, antes pelo contrário. É PRECISO AGIR COM VONTADE E COM A CABEÇA ERGUIDA. É PRECISO PEGAR O TOURO PELOS... Infelizmente o medo, o medo das consequências é que faz agir a maioria e a maioria é quem manda. Enquanto os professores não deixarem de ter medo, nada conseguirão fazer, NADA. Não basta escrever comentários nos blogs ou falar nos intervalos das aulas e dizer que isto está mal... NÃO, NÃO BASTA!!!

Anónimo disse...
Colegas! Que tristeza! falamos, falamos, resmungamos, resmungamos e continuamos como carneirinhos...temos que continuar a lutar e a exigir que as forças sindicais que nos representam lutem por nós ...mantenhamo-nos unidos ...

Luís disse...
Só temos aquilo que merecemos! Somos todos uns totós!

Anónimo disse...
Sindicatos???
Ainda não percebi o papel deles...
Colegas, não lamentem por uma situação que nunca terá volta!
É a lei da selva: a lei do mais forte!
Vamos TODOS ser avaliados!
Concordo com a anónima que diz que os contratados, os "descartáveis", já passaram por uma avaliação e ninguém fez nada por eles!
Afinal, somos uma classe, ou uma pseudo-classe?
Quem não deve não teme...
L

Anónimo disse...
Sempre fomos avaliados!!! Não posso concordar com a opinião do colega anterior.
Como e por quem são avaliados todos os membros deste governo que têm tido tão brilhantes ideias??
Quem lhes deu o direito de entrarem na vida de todos nós e disporem dela como se das suas se tratasse?
Sempre adorei a minha profissão! Sempre gostei de ensinar e dedicar-me aos meus alunos!
Qual a razão destes senhores se virem intrometer naquilo que eu faço com muito gosto há muitos anos e tentarem estragar as minhas actividades enquanto professora???
Precisamos de uma Ordem!!!
PS NUNCA MAIS!!!! Já Chega!

Anónimo disse... Como professora, como mãe, como cidadã, não posso corroborar nesta palhaçada acenando que sim com a cabeça como aqueles cães que existiam no meu tempo, na parte de trás dos carros... Por isso colegas, vamos paralisar as escolas dia 1, vamos de luto, vamos chamar as televisões e mostrar a verdade à opinião pública que, continua a receber rebuçados em vésperas de eleições.
CHEGA! Em nome da educação, CHEGA!

Anónimo disse...
Colegas estamos no eterno contrato e deste modo vamos chegar à reforma ainda contratados. Isto e desmotivante, não nos dá segurança nenhuma.
Esta avaliação é descabida pois se todos fomos submetidos a estágios pedagógicos. Para quê? Esta avaliação, estão a tratarnos como principiantes eternos...

Anónimo disse...
EU não vou consumir nenhum papel. Irei elaborar um portfolio em suporte digital... no sites.google.com , é grátis e bastante prático...experimentem. Colocam 12 separadores na faixa lateral e depois fazem os links. Bom trabalho...

prof tuga disse...
Estes objectivos parecem-me impossiveis de concretizar e mais uma vez palavreado bonito para o papel... como me parece ridiculo o facto de equacionarem enviar sms, mail,...para os EE, já agora nao querem ir a casa de cada um no final do dia? Contam como foi o dia do filho e ainda podem perguntar se nao querem ajuda para cuidar deles no pouco tempo que têm de os "aturar"! E as acções de formação, a maioria das que valeria a pena frequentar é caríssima e eu recuso a pagar um cêntimo!!! E claro, ainda vão a colóquios, simposios,...A mim mal me sobra tempo para o resto da minha vida (sim, eu tenho uma vida além desta profissao que escolhi... se arrependimento matasse...). Por favor, a luta tem de se centrar em acabar com os moldes desta avaliação, não em fazer "Copy Paste" de objectivos que podem servir para uns e tramar a maioria!!!!

raivaescondida disse...
parabens pela divulgação desta famigerada avaliação da bosta.
O que aconteceu ao link que não funciona aqui:
Objectivos Individuais - 2
Um Abraço

Miguel Loureiro disse...
Pois! É tudo muito bonito o copy e paste, mas ao querermos aldrabar o processo, estamos a chamar burros aos avaliadores, que não gostarão de passar por tal, dado o trabalho sério que alguns fizeram, sabendo do negócio.
Além do mais, os exemplos que dizem para copiar e "pastar" são execráveis, mal preenchidos, abusivamente ampliados, sem ligação ao normativo imposto, o que mostra a maior ignorância de quem fez os instrumentos e de quem os aconselha a copiar.
Uma coisa a falência à partida do processo, que a natureza há-de provar, outra coisa é a falência da classe com a ignorância de tudo que envolve a avaliação e os interesses que vão emergir, por causa destas más indicações.
Copiem, mas... inovem alguma goisa, Porra! Mostrem que os docentes não são dementes!!!

Anónimo disse...
Desafio ao Miguel Loureiro:
Quando tiver os seus quadrados bem preenchidos, divulgue-os, para através do seu "modelo perfeito" aprendermos!

Anónimo disse...
Também aqui se começa a notar o clima que se vive hoje em dia nas escolas. Colega Miguel...não temos que nos subjugar a ordens que consideramos inúteis e desumanas. se tenciona elaborar um "quadro perfeito", óptimo, mas então significa que corrobora com toda esta fantochada. Eu estou como a colega acima, que diz que não vai ser avaliada. Eu também não vou. Tenho-o sido, toda a vida, pela minha matéria prima: os alunos. Se quiserem vir assisistir a todas as minhas aulas, são bem vindos. mas obrigarem-me a fazer tudo menosdedicar me ao trabalho escolar, NÃO, OBRIGADA.

Anónimo disse...
Se tamos todos contra esta avaliação porque é que não fazemos como Ghandi ninguém avalia , ninguém quer ser avaliado, não construimos instrumentos de avaliação... desobediência passifica já !

Anónimo disse...
Alguém tem algum "COPY PASTE" dos objectivos individuais dos docentes de educação especial ?
obrigada

SS disse...
Não tenho quaisquer duvidas quanto à "palhaçada" que é este processo de avaliação dos professores, mas já tenho GRANDES duvidas quanto ao seu sucesso, pois MAIS UMA VEZ, muitos dos docentes deste país farão tudo por tudo para o seguir à risca e fazê-lo ainda pior... Quantas histórias já correm sobre avaliadores e escolas que se estão a aproveitar deste "poder"????
Quantos optaram por ser avaliados no ano passado, sem o necessitarem, e apresentaram autenticas teses de mestrado???? Ainda havemos de ouvir a "Lurdinhas" a gabar-se de todo este processo e do quanto os professores se enganavam pois tudo foi um enorme sucesso.

Miguel Loureiro disse...
Aos colegas ANÓNIMOS que me quiseram julgar e desafiar, não vou responder porque só falo com toda a gente cara a cara e com nome.
Para os outros que me leram, sem julgamento, aconselharei a copiar, copiar, copiar... adaptar,adaptar,adaptar... e mostrar-se capacidades (competências mínimas) para um trabalho que já não adianta chorar, mas evitar mazelas e sequelas, tendo em conta que os professores não são recursos humanos, mas humanos com alguns recursos.
Se estou ou não de acordo, não me apetece dizer, mas quem me conhece sabe bem a minha posição. Mas fizemos uma exposição a quem de direito (contra o processo) e estive em Lisboa (contra a Ministra) e trabalho (a favor dos colegas do agrupamento) na defesa dos seus direitos.
Quem não tem culpa de nada somos quase todos nós, excepto quem veio dizer que os professores não eram contra a avaliação, mas contra "esta" avaliação e agora nós é que somos tramados. Que dizem e fazem os Sindicatos? Que dizem e fazem os colegas que se reformaram e mandam por mail ,aos que ficaram, lamententações de "faca e alguidar" contra o sistema, mas já no "bem-bom"?
Perante isto, os que podem ajudar os mais novos a levar a cruz ao calvário, para além da sua própria cruz, que o façam, com a dignidade que exigimos e com as armas que cada um tiver à mão, de preferências com as mesmas armas com que nos desafiam.
"Para que não digam que não falei de flores."

Anónimo disse...
Ahhh colegas! O que é um Titular? É o que não fica no "banco"? Joga sempre na equipa principal? Esta gente subverteu todo um sistema linguístico... quando concorri e me vi como "concursário" ia tendo um treco! Quem concorre não foi sempre Concorrente? Ah uma pouca para isto tudo!!! E não venham com histórias de que isto está mal: se está mal foi porque deixamos e continuamos a deixar e baixamos mais as calças ainda. Aulas??? Já anda tudo tão demente que em vez de "matéria" encontramos os professores a chorar as suas misérias aos alunos, até as domésticas, mas que raio de gente é esta?
Oh pá.. na Finlândia (acho eu, que dizia o Sampaio) os professores trabalham 50 horas por semana.. só não se diz quanto ganham, nem os níveis de violência a que são submetidos quer nas escolas, quer pelo respectivo ministério...
Agora mantermo-nos... o quê? UNIDOS?? Coisa que NUNCA FOMOS???
Vá tudo a votar PS para manter o status quo, bolas! Não dormem? Têm "ABC'S?" Sentem-se mal? Muito gostava eu de saber se alguém com dois dedinhos de testa e alguma memória se sente bem neste país... mais salazarento do que o Salazar. Vou ali ver as ofertas de escola (que já só mostram o que querem e a quem querem) e já volto.

Anónimo disse...
anonimo
Gostava de perguntar à Srª ministra se o que conta são as estatísticas ou se a escola existe para ensinar, formar, educar..............................

Anónimo disse...
cada vez mais me interrogo :
quem vai ganhar com esta avaliação?
se pensam que serão os nossos alunos estão bem enganadas por eles serão os maiores prejudicados com o nosso stress (avaliadores e avaliados) e perda de tempo em burocracias

am disse...
Faz me rir estas declarações: ainda não perceberam que quanto mais se espalharem as fichas feitas (todas, de norte a sul do país) mais estamos a boicotar este processo, porque todos fazem a mesma coisa.... que é banalizar o processo.
Ponham todas as fichas na net...

Anónimo disse...
Ó senhores, eu já pensei em ir lavar escadas, pelo menos lavava a alma... E é isto o famoso simplex? Ele há coisas que não lembram ao diabo, mas houve alguém que se lembrou delas... Estou seriamente a pensar mudar de casa e arranjar uma estante e escritório maiores para arquivar os milhões de papeis, neste 30 anos que ainda me faltam para a reforma. Ah ah ah! É bom que a cor do governo mude, porque de luto já andamos nós e o rosa já foi "choc".

Anónimo disse...
Pudesse eu voltar aos meus 18 aninhos e não havia quem me apanhasse a tirar um curso de Letras e a querer ser professora. Para quê? Para ver um governo medíocre, em todos os aspectos, a espezinhar na classe docente, pais e alunos a fazerem pouco de nós e até alguns colegas - que supostamente são os eleitos!!! - a dizer "amén" à fantochada deste Ministério da (Des)educação...

Anónimo disse...
Isto é tudo um absurdo. Estou cheia de ver tanto desencanto.Nao votem PS, temos de os fazer perder as eleiçoes ou, pelo menos, perder a maioria.A ministra da educaçao detesta os professores.Porque será?

madteacher disse...
Anónimo, ramo de urtigas? Não será muito soft? No mínimo de cactos...

Chedas disse...
Temos que criar mudanças no nosso governo! Será que vale a pena mais do mesmo.... desta política de "DIVIDIR PARA REINAR"? Nas próxima eleições teremos que enviar um sinal forte para que se abandona esta política de aparência... que nos leva à demência.

Vítor Ramalho disse...
Combater o governo par depois dar a vez a um partido do sistema, não leva a nada.

Anónimo disse...
sou professora ha 36 anos , a nossa classe sempre foi pouco unida , e nao nos podemos esquecer que somos "funcionarios publicos...."sobre o copy paste, ninguem inventa nada de novo, e estou convencida que os que produziram documentos e os disponibilizaram o fizeram numa perspectiva de entreajuda e disponibilidade, falamos muito mas agimos pouco de outro modo nao estariamos na situacao em que estamos agora, vamos todos tomat uma posicao, ou trabalhamos para um mal menos contornando sempre que possível o que esta mal ou os que ainda estao a tempo coragem abandonem o barco arranjem outra profissao, estao no lugar errado no tempo errado , uma em que não haja avaliacao. Qual ?

Anónimo disse...
Colega Vítor,
Leva, leva...
VOTAR Á DIREITA OU À ESQUERDA, NUNCA PS.
O nosso único objectivo é tirar esta equipa do ministério. Qualquer outra que venha será certamente melhor, pois pior do que esta é impossível.
Fernando

Picaroto disse...
Parabéns ao nosso Ministério e Governo! Conseguiram criar algo que apenas vagueou ao longo da história no imaginário português: "O Adamastor"! Nunca se esqueçam: estamos no mesmo barco. Vamos dar todos as mãos (não baixando os braços à luta)! Já passamos muitas tempestades, mas nesta (uma das piores em termos de previsões) não podemos levar o bicho a sério, pois quem o fizer sofrerá e fará sofrer ou outros (que estão no barco)! Concentremo-nos no que interessa (ver link:
http://www.youtube.com/watch?v=sKXFpKIMtb0 )!
Não prejudicarei o que mais amo na Escola: os meus alunos!
Como dizia um colega nosso: "Depois de tantos anos de ensino, não tenho de provar a ninguém que sou bom. Alguém é que terá de provar que eu não presto!"
Força Pessoal, não podemos permitir que esta avaliação nos divida!

Anónimo disse...
Queria lançar o apelo já aqui feito, será que alguém arranja os objectivos "COPY PASTE" para a Educação Especial?
Maria

Rui L. disse...
Olá.
Em democracia os resultados levam sempre a algum lado.
Em democracia há sempre soluções.
em democracia deve se castigar quem não nos agradou, é e essência da democracia a possibilidade de escolher.
ou estamos a ficar conservadores? senhores professores que formais em cidadania não se deixem embalar pois a democracia é irreverência também e os políticos do sistema sabem isso por isso nos assustam com as crises... e vejam quem fica a ganhar se acharmos que afinal nada muda.
Saudações solidarias.
Rui L.

MARIA ALGARVIA disse...
Caros Colegas.
Andamos todos a fazer o gostinho à donzela e osa nossos executivos tem medo da Srª senão vejam... fui avaliada tal como vós certamente no ano de 2007(2008 com EXCELENTE, um mês depois vêm-me pedir o papel para fazer nova avaliação ...isto foi para todos da minha Escloa e de Excelente passaram todos a BOM porque eram as ordens do Ministèrio e hoje tenho na minha posse dois elementos de avaliação....porque como é óbvio não devolvi o primeiro ... mas o que é isto? Andam a gozar com os professores a troco de quê? e já naõ falando na carga horária tive um horário de 8 horas e dava mais uma hora de Mote e mais uma da Lab ( apoios) e substituição de BORLA e mnais as horas infinitas de reuniões e este ano vou na mesma... 8 horas lectivas e mais o que lhes apetecem colocar no horário são ordens da Srª Ministra.... Avaliações, mas que avaliações se tudo isto é uma fantuchada. Quando nos reunimos em massa em Lisboa foi lindo e surtiu efeito na altura , mas logo de seguida tudo amansou e a glória foi para a dona da verdade da razão... clro já viram estou fuirosa e capaz de dar um chuto em tudo isto, para ganhar 300€ ...vou lavar escadas....Felicidades para vós.

Anónimo disse...
Durante décadas o processo de ensino centrou-se no aluno, mas parece que o nosso ME pretende agora centrá-lo na figura do professor... Por mim tudo bem! Mas eu já fiz a escola toda e chega de ser avaliada! Assim não faz sentido ensinar!

Alexandra S. disse...
Ainda há 5 meses entreguei uma avaliação. Agora outra com portfolio? Isto tudo por 11 horas lectivas, sem qualquer reunião paga?
Por 500€ mais vale ir trabalhar para um call-center vender computadores aos nossos alunos...
E por acaso sabem que os professores contratados por oferta de escola apenas podem ter um horário em cada escola, que por sua vez não pode exceder as 11 horas lectivas?
É triste mas provavelmente em 2013 estarei mesmo na Ucrânia exercendo a profissão de doméstica interna...
Viva Portugal!!!

Anónimo disse...
Colegas, este blogue serve não sõ para deixarmos os nossos comentários, mas também para nos unirmos nesta luta que é a nossa. já vimos que até os sindicatos abrandaram. POR FAVOR, vamos fazer ALGUMA COISA! Organizemo-nos. Vamos todos de novo para a rua: Boicotemos este modelo de desavaliação calunioso. O que for.... desde que seja algo.

Anónimo disse...
caros colegas não se indignem muito porque depois a maioria vota no bloco central. Não se esqueçam que são os professores que entre outros funcionarios publicos os colocaram lá. é sempre a mesma coisa ous que votaram agora PS da proxima votam PSD. Ésempre a mesma coisa o direito à indignação é e volto a dizer é no dia do voto. depois não se esqueçam!!!!!!!!

Anónimo disse... Pá...comecei a ler, mas não aguento tanta queixa verdadeira...O copypaste não resolve. Mesmo assim dá muito trabalho, é inglório, nunca gostei de copiar. E digo como o outro "Só QUERO O QUE ME É DEVIDO POR ME TRAZEREM AQUI! Exacta e concretamente: acerca deste nascimento, eu também não fui ouvida. Nenhum Professor foi.

Anónimo disse...
Não deixem de ler...
Convém que se consiencializem e difundam o mais possível.
http://mobilizacaoeunidadedosprofessores.blogspot.com/2008/07/derrota-das-maiorias-preciso-insistir.html

odnamra disse...
PARECE-ME QUE ESTE TIPO DE AVALIAÇÃO JÁ MORREU! EU QUERO DEDICAR-ME ÀS AULAS QUE GOSTO DE LECCIONAR MAIS TRES ANOS... QUANTO À AVALIAÇÃO NÃO ME VOU PREOCUPAR COM PAPEÍS!
QUANDO VOTAREM NÃO VOTEM PS
MAS ATENÇÃO QUALQUER PARTIDO INSTALADO É IGUAL!
OU ESCOLHEMOS UM PARTIDO AINDA NÃO INSTALADO OU VOTAREMOS EM BRANCO.
AO VOTAR EM BRANCO ESTAMOS A DIZER QUE QUEREMOS CONTINUAR A VOTAR, MAS TEMOS QUE TER GENTE COMPETENTE PARA ESCOLHER. OS ACTUAIS INSTALADOS NÃO SERVEM!

Anónimo disse...
Estive a ver os items do copy paste e a fazer uma leitura na diagonal dos mails enviados. "Parece" q continuamos todos revoltados com este processo inconcebível q de repente nos caiu em cima.Só não entendo o q nos falta para conseguir de facto a verdadeira união!!! Só não entendo por que não deitamos abaixo aqueles q com medo querem q o processo se torne credível! Será uma questão de número? 100 mil não chegam para travar uns quantos contentinhos "yes minister"? Cada um de nós pode pôr o seu grão de areia na engrenagem... É porque nos falta uma Ordem? Vamos fazê-la!!! Os sindicatos estão descredibilizados por factores diversos - não quero julgar, há pessoas q fazem o seu melhor, conheço algumas!
Caramba, deixemos de ter MEDO! Vão andar a tramar 140 mil profs! A democracia questiona-se neste momento da vida nacional, mas mesmo q criem uma nova pide, somos muitos para por na cadeia.
Claro q esta espécie de avaliação vai ser um copypaste.Mas q respeito ela nos merece para ser outra coisa???
Só depende de nós. Só temos de nos unir. Só temos q ser um por todos e todos por um. O que nos está a faltar? Alguém me esclarece?

Anónimo disse...
COPY PASTE?!
"Porreiro, pá"!!
E depois?... Tudo na mesma?!...
Copy paste também no voto: mudam as "moscas". A "m...." será a mesma?!
SIM,vamos todos continuar a nossa LUTA!
Contra a HUMILHAÇÂO, a HIPOCRISIA,a PALHAÇADA...
SIM,vamos formar uma ORDEM!

Anónimo disse...
Como os contribuintes têm que pagar o colapso da ganância dos gestores financeiros, por esse mundo fora. Os professores portugueses têm que pagar o colapso de uma sociedade falhada orientada por políticos a viverem num deserto de ideias e num palheiro que mete água, etc.

F.Manuel disse...
O que penso sobre o assunto:
- Neste momento interessa complicar, mas complicar muito e muito e nunca, mas nunca, facilitar a tarefa ao(s) avaliador(es). Não é nada contra os colegas avaliadores, mesmo nada. É só contra o sistema que nos deixa tontos, quase lerdinhos.
Não estão a sentir isso?...

Carla Augusto disse...
Excelente blogue! Parabéns!
Carla

Júlia disse...
Olá colegas:
Gostaria de dizer que concordo com uns e discordo de outros.Mas o que me preocupa no ensino é o facto de verfificar que quase toda a gente se esquece que "cliente satisfeito seviço prefeito". No ensino séc. XXI em que a escola passa a organização os professores passam a prestadores de serviços e os nossos clientes são os alunos, que neste caso talvez por serem menores e não podererem recorrer a pseudo sindicatos,nem terem nem idade, nem conhecimentos capazes para poderem reclamar ou serem ouvidos sobre o grau de satisfação relativo aos serviços que lhe são prestados, nos deveriamos centrar neles. Penso que neste momento todos os actores educativos estão insatisfeitos. Mas jogam pelo que é mais seguro ficar ao sol como a lagarticha e quando alguém se aproxima esconde-se do que lutar pela sua dignidade, com todos os direitos e deveres que lhes assiste pela Constitição da República e LBSE. Não existe coesão de classe nem mesmo nos sindicatos. é uma luta inglória porque não é de todos é só de alguns, normalmente dos refilões, dos não acomodados, dos que se preocupam mais com os alunos do que com as burocracias e demais "demarches", mas que no final são sempre os mais prejudicados, quer legislativamente quer na distribuição de serviços. Já que na educação tal como em todos os sectores da sociedade Portuguesa, quem tem os amigos certos não morre na cadeia". Gostaria que me dissesssem se estou a pensar mal. Não acham que numa organização piramidal como a nossa é fundamental a gestão a lçiderança e a comunicação? Não existem bons trabalhadores se não existirem bons patrões esta dualidade entre a liderança e os liderados condiciona os níveis de comunicação na piramede,(staffs), a qual deve ser bidimensional na piramede organizacional. Facto que, quanto a mim, neste momento não acontece e para agravar ainda temos mais alguns pequenininhossss... probleminhas...( só para alguns):
. existe espírito de equipa e partilha entre os docentes?
. como poderemos ensinar os alunos a adquirirem competências de cidadania com "olha para o que eu digo e não para o que faço"
. que exemplo de sociedade democrática lhe passamos?
. qual é o seu direito efectivo à educação?
. qual é o seu direito efectivo à liberdade de expressão?
. qual é o seu direito efectivo em participar de forma activa nas linhas gerais a traçar?
. qual é o seu direito efectivo a adquirirem competências de cidadania, hábitos de higiene e saúde, preservação e defesa do ambiente, ter hábitos e actitudes ecológicas, hábitos alimentares saudáveis, segurança rodoviária, segurança e direitos da criança, direitos universais do homem, etc...?
Pergunto será que nas vossas escolas podem dar bons exemplos nestas materias? A alimentação das cantinas obedece aos critérios que eles aprendem na sala de aula? Pena é que não sejam alvo de inspecção. As instalações velhas e degradadas são exemplo? São aplicadas nas escolas as normativas de segurança e de inclusão ? As escolas são exemplo de integração, digna, para as pessoas incapacitadas?
.Acabaram-se com as barreiras arquitectónicas nas escolas? Nem com o decreto.
Trabalhamos em condições dignificantes para nós e para os nossos alunos, tal como outro qualquer funcionário? (direito que lhe assiste pelo código de trabalho)
Neste momento quem mais beneficia de todos os apoios na escola? São os alunos com NEE ou os que não fazem nada e que destroem as instalações do estado? Promove-se o sucesso ajudando os alunos mais problemáticos, dando-lhes variadas oportunidades, mesmo depois de eles terem dado prejuízo ao estado por vários anos. Sim porque cada retenção é dinheiro investido sem retorno. Continua-se a apoiar os que mais danificam o clima e a cultura escolar, os bons esses acabam por passar despercibidos.
Fico triste porque se fala muito pouco sobre à realidade escolar. Nós que somos os pilares da futura sociedade, não temos determinismo, autoestima e coesão suficiente para colocar as mágoas em cima da mesa e tentarmos mudar. Teremos que começar por algum lado por exemplo mudar as condições de trabalho. Digam-me onde estão os profissionais graduados da função pública a trabalhar como nós em salas frias/quentes/húmidas paredes feias e piso irregular? Será que é só nas escolas? E se o for será que já reflectimos sobre o porquê?. E agora digam-me onde estão os direitos das crianças? Temos de mudar os exemplos que damos, corrigir a desactualização dos conteúdos programáticos e o seu total desfasamento relativamente aos novos desafios e paradigmas educacionais do séc. XXI. Estou a exceder-me como tal vou concluir colocando uma nova questão. Como é possível complicar-se tanto quando o objectivo visa o " simplex" na função pública? Querem medidas economicistas na educação então vamos a elas, eu até as desejo para ver se se deixa de gastar tanto papel para nada, rentabilize-se o espaço escola, rentabilizem-se os profissionais de educação, dando-lhes qualidade de formação, de recursos e tempo de reflexão, tempo para prepararem as suas tarefas, isso sim é investir para a qualidade, reformulem programas e actividades, criem recursos humanos para assegurar com dignidade as tarefas que lhes assiste. Imponham novas regras e irradiem-se os alunos que dão prejuízo ao estado não querem estudar vão trabalhar, há muitos jardins para limpar, carros para lavar e concertar, faltam canalizadores etc. Exigam de todos desde o aparelho de estado até ao lixeiro todos devem ser produtivos para o País,como tal que se avalie o racio rentabilidade horas de serviço. Chega de hipocresias, não esbatam os problemas sociais virando-se contra aqueles que a ajudam a formar. Estou a ser demasiado longa, tal como longo é o conceito de educação e não se misture educação com política porque aí ficamos mal, criam-se os núcleos de influência, os grupos e grupelhos e quem saí a perder é sempre o elo mais fraco da cadeia o aluno. Apelo a todos, narcisismo de lado , olhem para o próximo, vamos dar as mãos e ajudar a criar uma sociedade digna e desenvolvida em todos os campos do saber.
Seria óptimo que este movimento desse flor e fruto e que não seja mais um movimento infecundo, sugiro um encontro nacional de professores( sindicatos à parte).

Anónimo disse...
Enquanto estivermos nas mãos destes sindicatos que não fazem mais do que estender as capas no chão, estamos perdidos. Este movimento tem que se materializar numa organização. É URGENTE!
A Ordem dos Professores já tarda.

Anónimo disse...
Olá, até me dá vontade de rir...com tantas palavras...palavras e mais palavras! O mal está nas nossas escola porque aceitamos tudo que o nosso director obriga....nunca dizemos não a nada...realmente somos todos uns anjinhos maravilhosos.
mj

Célia Roque disse...
Boa noite a todos.
Tenho apenas 2 ou 3 coisas rápidas a dizer (a seguir tenho que ir adiantar o PCT... lol)
Parabéns pelo Blog ao autor.
Fico contente por ver aqui alguém que é pai e Encarregado de Educação e que percebe que os probessores afinal não são os "lambões" que muitos nos querem fazer parecer, pois eu digo sem dúvida, os alunos serão muito prejudicados, não temos tempo para preparar as aulas como antes.
Quanto às próximas eleições eu vou votar num partido pequeno, seja ele qual for, maiorias é que não, eu sempre votei à direita mas também não me parece esses que resolvam o nosso problema.
Temos que nos unir e lutar contra esta aberração que é avaliação.
Força e coragem a todos!!!

odnamra disse...
Mas qual ORDEM!
Por favor querem explicar-me quais as vantagens de uma ordem?
A primeira desvantagem é termos de pagar para a ORDEM!
Em que é que uma ORDEM põe ordem no Ensino? Será que eu vou ser melhor professr por estar inscrito numa ORDEM?
Como é que a ORDEM põe na ordem os alunos disruptivos?
Sim, porque esses alunos são o grande problema do insucesso! E as familas auto desresponsabilizadas pelos seus filhos! Como é que a ORDEM as põe na ordem?

Anónimo disse...
Quando deixar de ter sindicatos pagos pela entidade patronal, talvez tenhamos alguém que olhe pelos nossos direitos.

Insubmisso disse...
Aprende a nadar, companheiro
Que a maré se vai levantar
Que a liberdade "vai" passar por aqui
Maré alta
Maré alta
Maré alta

ILÍDIO TRINDADE disse...
Os comentários de mero carácter publicitário (seja do que for) não serão publicados.
Obrigado.

Anónimo disse...
Caros,
Voçês não estão a entender o esquema.
A ideia é ficar bem na foto das estatísticas a nível do ensino,a par dos outros países da Europa.Ninguém, e repito ninguém quer saber se os miudos estão cada vez mais burros,malcriados,indisciplinados,patetas,atrasados mentais,...etc.
É preciso justificar perante a europa como foi "bem" utilizado os milhões destinados ao ensino no nosso país assim virtualmente vamos a caminho do topo do bolo.È a mesma história com o défice não interessa nada que as pessoas reais estejam a passar por situações dramáticas com uma crise financeira que só piora de dia para dia pois é preciso controlar o défice mas, nem que morram todos a fome, enterrados em divídas.Custa ver a classe média em portugal morrer desta forma.Portugal dos professores que não ensinam,dos policias que não actuam tudo em nome do "sagrado" défice orçamental concilidado e controlado.
Obrigado.

Anónimo disse...
Só hoje conheci este blogue. Parabéns pelo mesmo. São imensos comentários pelo que só li na diagonal. Permitam-me um pouco de subversão. Qual é o problema da divisão entre titulares e não titulares? Muitos milhares de professores não embarcaram em sindicatos que dividiam os prof. em licenciados e não licenciados? Não estou contra os sindicatos há é que separar o trigo do joio. Se nós não o fizermos que autoridade moral teremos para nos indignarmos por outros não o fazerem relativamente a nós. Aprecio os movimentos independentistas mas quem os autoriza a falar por nós? Já nos esquecemos daquele prof. independentista que num "Prós e Contra" zurziu na ministra e na inspecção e depois teve que escrever uma carta a pedir desculpas públicas. Quanto chacota e erosão sofremos nas "cartas ao director" e editoriais nos dias seguintes. Solução para isto acho que não há, como diz o povo primeiro estranha-se e depois entranha-se e já há muito titular muito entranhado.

Anónimo disse...
Todo o sistema de avaliação é um atentado não só à profissão como a todo o sistema de ensino em Portugal, pois todo o processo negativo se vai reflectir nos alunos que são os homens de amanhã, quado os pais concordam com a ministra estam a preparar a ruína dos seus filhos.

Anónimo disse...
Colegas! Temos que ser nós a organizarmo-nos! SIM AO DEBATE NACIONAL! SIM A UMA ORDEM QUE NOS DEFENDA APARTIDARIAMENTE!
Avancemos com uma data de manifestação nacional e seremos mais de 100.000 desta vez!
18 de Outubro?

José Miguel disse...
E que tal uma análse objectiva, rigorosa e fundamentada ao modelo de avaliação em causa? É que quem ouve (lê) o que vão dizendo, fica com a sensação que se tratam apenas de manifestações de opininião que, embora (obviamente) legítimas, não contribuem em nada para clarificar a discussão. Afinal, estão contra a avaliação do desempenho da classe docente ou contra este modelo propriamente dito? E em relação ao modelo em causa, o que realmente contestam? A possibilidade de uma grande subjectividade da avaliação? A burocracia inerente ao processo? Ou o facto de as escolas terem que assumir a autonomia que tanto reclamam - pelo menos em parte - uma vez que são as escolas que deverão definir os indicadores, as evidências que devem contar, os factores de ponderação, os instrumentos mais adequados, etc... São as escolas que têm que repensar o PEE e tirá-lo da pratleira onde ganhava pó sem servir senão para mostrar ao sr. inspector. São os professores que têm de decidir que profissionais querem ser, que escola querem construir. E talvez não estejam a ver na ADD uma boa possibilidade para o fazerem. Para terminar, penso que se colocam apenas 3 alternativas: a) aceitar cegamente e deixar andar; b) rejeitar cegamente sem sequer ler/interpretar (em vez de falar "porque me disseram"; e c)Analisar objectiva e criticamente o modelo, interpretar a legislação e retirar de lá o que pode ser positivo, adaptar o que deve ser contextualizado e ir ao encontro das ideossincrasias das diferentes realidades, simplificar o que pode e deve sersimplificado, etc. Ou seja, tomar uma atitude "Profissional", mostrar espírito crítico, propor alternativas, discutir ideias...
Não vá algum aluno estar a ouvi-nos!

Anónimo disse...
Caro José Miguel, se fosse Professor percebia na pele o que é na verdade este Modelo de Avaliação. Se pensa que os Professores nao estão informados, está enganado. Se pensa que há tempo para assimilar tanta legislação, trabalhando com os alunos e para os alunos cerca de 12 horas por dia, também está enganado.
Já agora deixo-te a mesma mensagem que amavelmente nos deixaste: informa-te sobre a condição profissional dos docentes, depois desta nova legislação. Junte 2 mais 1 (um trabalho diário extenuante e um rol imenso de papeis para se provar que se trabalha) e talvez entenda porque é que se fala deste Modelo de Avaliação com desconfiança.
Pedro Vargas


ivone disse...

copy paste sim!

ivone disse... admira_me ainda querendo ter um processo de tranparência na luta da classe docente o anonimato de muitos que por aqui passaram com medo ou vergonha de dar a cara.
é apenas um blogue meus colegas/amigos/companheiros de luta. poderiam mesmo assim assinar sem o verdadeiro nome. e para quê? que adiantaria?
ganhou sempre a luta dos individualistas e assim se continua.
haja paciência
a minha está quase quase quase a esgotar_se...

Anónimo disse... Colegas Profs.,
"Os cães ladram e a caravana passa"
comentará sua Exa.D.Mª de Lurdes! Pois não é o que está a passar-se?!
100 mil desceram a Avenida. E depois? Os mesmos que ali estiveram, nas Escolas afadigam-se agora cumprindo, mais papistas que o papa...,as ordens do ministério! E é vê-los criando fichas e mais fichas e mais portfólios e o que mais se forem lembrando.
Sim ao Copy paste e talvez assim ainda se consiga algum tempo para preparar o trabalho que realmente ajuda os nossos meninos. maria

Anónimo disse... Contestatária amordaçada
desde o ínicio deste desfile"avaliação de desempenho dos professores" que vi com surpresa desfilar repetidamente o mesmo "modelo": "O ministério está a dar autonomia aos professores". seria óptimo se assim fosse, caso não tivesse recebido instruções (pouco explicitas) para a montagem do mesmo!
na altura ri, e continuo a rir, pois o que me é exigido só faz rir.
AA automia dos professores revelou-se em trabalho extra na construção de TODO o material para o processo da sua avaliação, inclusive dos predicadores que bem organizados em ficha servirão para os avaliadores os pontuar...(vais ser enforcado e o juiz pede-te para fazeres a corda e coloca-la no pescoço...autonomia ao condenado)!
Para finalizar oferecem nos a cereja para o topo do bolo...cotas!
Até agora mandam-me calar, colegas inclusive quando tento procurar com eles a verdade, a justiça,a sentatez, a lógica deste pervesso processo. ouço sempre:CALA-TE,POr AMOR DE DEUS (o nosso hábito de comprometer deus em tudo) NÃO COMPLIQUES, estamos a perder tempo, só complicas, isto tem que estar feito até ao dia x ou y.CALA_TE; CALA_TE.... E quem sou eu? Zé Ningém, que tenta pensar e repensar e levar os outros a fazê-lo, mas parece que eles tal como o ministério já encontraram resposta para todas as perguntas, para todas as dúvidas...copy paste....ALELUIA!

Francisco Cantanhede disse... Excluir os Sindicatos?...huuuum...Não me parece boa ideia...É necessário "arrastá-los" para o caminho certo! Criar a Ordem dos Professores?...huuumm...a Pró-Ordem, até ao momento, não resultou...Foi de lá que partiu para a 5 de Outubro um dos Secretários de Estado...Criticar todas as formas de luta implementadas até agora?...huuum...Ficar em casa é que não tem qualquer reflexo, de certeza!

Francisco Cantanhede disse... Diz a voz do Povo: "Para grandes males, grandes remédios!" Há por aí 25 VOLUNTÁRIOS, no mínimo, que alinhem numa GREVE DE FOME, junto às instalações do M.E., na 5 de Outubro? Podia começar-se por um período de 48h (das 24h de sexta-feira às 24h de domingo). Caso os resultados sejam nulos, por tempo indeterminado, na época natalícia. Já participei numa, com sucesso, num período de maioria absoluta de um outro partido. Apelo aos colegas que lá estiveram para lá voltarmos!
FIM AOS ANONIMATOS! É preciso dar a cara! Ou, como diz o Povo, "pegar o touro pelos co...!"
Telemóvel:963991973
E-Mail: fircantanhede@portugalmail.pt

Anónimo disse...
Também não sei do que têm tanto medo afinal! Em qualquer empresa as pessoas têm que ser avaliadas para progredirem!
Sabem do que estou farta? É da antiguidade ser um posto! Há seis anos que trabalho em Lisboa (faço 100km's por dia, e pago uma portagem de 2,95)), sou a que ganho mais mal em todas as escolas por onde passei e sou sempre a última a escolher um horário, uma turma, tudo!
Madalena.

Francisco Cantanhede disse...
Cara Madalena,
quem é contra a avaliação não é por ter medo, mas sim por ter DIGNIDADE!


MrBike disse...

Benvindos ao terceiro mundo...

Joana disse...
Concordo Madalena...
Falta de dignidade é os muitos professores reformarem-se com 2700 euros quando em toda a sua carreira não foram mais que maus professores.
Conheço professores fantásticos mas conheço outros que enfim... não digam que não.
Devemos LUTAR POR UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO MAIS TRANSPARENTE mas nunca o voltar ao antigo.
SEmpre me fez confusão pensar que apenas o aumento do n.º dos meus cabelos brancos me faria subir de posto

Anónimo disse...
Joana,
Diga os nomes dos maus professores e porquê. Mas diga. Não se acobarde!
Já agora diga qual era o sistema antigo. Ninguém está aqui a sugerir voltar ao "antigamente na vida".
Aposto que dele conhece ZERO. E ZERO é ZERO.
(Duvido mesmo que seja professora!)
Alberto

Anónimo disse...
oh Alberto,
lá por não termos trabalhado num outro sistema, ou há 20 anos atrás, não quer dizer que não o conheçamos, que não o tenhamos estudado. É isso que faz de nós melhores ou piores professores?
E olhe que também conheço muitos professores que se encostaram "à sombra da bananeira", deixando materiais prontos de um ano para o outro, utilizando como material pedagógico apenas os manuais, seguindo as suas indicações. Professores que não sabem o significado de pedagogia diferenciada, "ensinando tudo a todos como se fossem um só".
Francisco quando me referi ao medo, queria referir-me ao sentimento que absorvi de tantas palavras expressas neste blog, mas também nas expressões e nos rostos dos colegas que trabalham comigo.
Diga-me Francisco, o que tem de indigno afinal a avaliação?
Madalena

Anónimo disse...
Madalena,
O conhecimento nao faz de nós melhores ou piores professores... Eu não disse isso.
O que disse, e mantenho, é que me parece que a colega se referiu a ele sem o conhecer.
Que culpa tenho de que se tenham encostado à sombra da bananeira? Esse - provado o facto - devriam ser penalizados, mesmo que *a posteriori.
Se conhece bem o actual avaliação, muitos dos que se encostaram à sombra da bananeira é que vão avaliar os colegas.
Tenho de expiar os pecados dos outros?
Sou professor, não sou Jesus Cristo!
Alberto

odnamra disse...
EU QUERO SÓ ALUNOS DO CIRCO!
Há três anos passou por cá um circo. Com sabem as crianças do circo estão matriculadas numa escola qualquer mas vão assistindo às aulas nas escolas das localidades por onde passam, uma semana aqui, outra ali, mais quinze dias acolá, etc. Eu tive a experiência de ter duas dessas crianças numa turma de sexto ano. Uma menina e um rapaz. Qualquer deles ouvia à primeira vez qual o trabalho pedido pelo professor, normalmente executavam bem e depressa. Excepcionalmente foi preciso repetir o pedido segunda vez!
Estas crianças tinham pequenos papeis no espectáculo do circo. Para tal treinavam, para tal precisavam de entrar no momento exacto, para tal tinham de estar com atenção, por isso na escola elas ouviam à primeira, porque tinham hábitos que os responsabilizava por determinada tarefa.
A maioria dos aluno actualmente são irresponsáveis porque os seus pais não os responsabilizam seja pelo que for. Mas como podem eles responsabiliza-los? Eles próprios se desresponsabilizaram do dever que têm de os educar!
Houve sempre e parece-me que irá sempre haver bons e menos bons professores. Mas antigamente até com menos bons professores os alunos aprendiam e passavam de ano a saber qualquer coisa, dado que tinham de fazer exame e não eram os próprios professores que lho faziam.
A avaliação dos professores nunca se colocaria se houvesse alunos que quisessem aprender, alunos responsáveis. Dêem condições, eventualmente formação, às famílias para que saibam como educar e responsabilizar os seus filhos. Talvez assim se comece a resolver o problema pelos alicerces e não como até aqui, que tudo o que se fez foi remendar o telhado.
Então e afinal alguém me sabe explicar como é que uma ORDEM (dos professores) pode pôr estes pais na ordem? Como é que pode fazer com que alunos que não querem, não gostam passem a querer e a gostar das aulas? Ou será que todos os alunos começam a gostar dos professores que estejam inscritos na ORDEM? Nesse caso os professores terão de alertar pais e alunos desde inicio: “ Eu estou inscrito na ORDEM, por isso sou bom professor!”

Anónimo disse...
Basta de tanta palhaçada.
Onde estão os PROFESSORES. Lutem. Chega de baixar a cabeça a tudo

Anónimo disse...
Basta de tanta palhaçada.
Onde estão os PROFESSORES. Lutem. Chega de baixar a cabeça a tudo

Anónimo disse...
resposta ao anonimo que respondeu à Joana disse...
SE duvida que sou professora porque já conheci professores incompetentes é porque de facto vive noutro mundo...
Não é o fim do mundo por isso... a incompetência existe e por vezes nem os próprios têm culpa
Como professora que sou tantas vezes eu própria me senti sem competências para resolver determinados problemas dos meus alunos.
Professores incompetentes são por exemplo muitos dos nossos sindicalistas que não fazem mais nada que não dizer que não a tudo sem apresentar qualquer alternativa...

Anónimo disse...
Alberto nisso também perdi muito tempo a reflectir. Afinal colegas que teriam menos formação e práticas pedagógicas completamente diferentes das minhas poderiam avaliar-me.
Porém no meu agrupamento foram os 45 professores do 1º ciclo que elegeram a colega avaliadora e à posteriori nomearam outra colega, por acaso, aquela em quem votei.
Há coisas com as quais eu não concordo.
Uma delas é a burocracia. Há uns anos quando fiz uma pós-graduação lembro-me de uma disciplina que reflectia sobre os vários modelos de escola. Um deles era este.
Damos por nós a perder horas indispensáveis para a preparação do trabalho com os alunos. Gastamo-nos com o que devia ser secundário.
Também não concordo com as turmas tão numerosas que nos obrigam a constituir. Não há condições para trabalhar assim. Como posso dar-me aos meus alunos, se sou uma para 23e desses, vários com dificuldades?
Há dias dei por mim a reflectir que o tempo para a família é tão pouco. Hoje saí de manhã cedo e cheguei já era noite cerrada. A família disse-me mal entrei a porta: - Ena, hoje foram 12 horas!

Anónimo disse...
O post anterior era meu.
Madalena.

mr.e disse...
por mim...
eu nem copo nem pasto
cago e ando.....
retira isso, pá
saudações

Anónimo disse...
Madalena,
Totalmente de acordo.
Alberto

MCF disse...
O meu principal objectivo individual é SOBREVIVER a este ano lectivo, conservando a sanidade mental!
Será um objectivo realista?
Tenho sérias dúvidas...

Anónimo disse...
Pasme-se! A minha coordenadora de departamento já disse a quem ia dar excelente ainda antes do processo de avaliação começar. É esta a seriedade de toda esta fantochada e são estes os avaliadores sérios e competentes que temos.

Joana disse...
Claro que é um objectivo realista... eu espero sobreviver muito bem.
É so preciso não stressar de mais e deixar andar a carruagem

Francisco Cantanhede disse...
Destinatários: os que conseguem vislumbrar algo positivo na avaliação dos docentes.
"O ambiente das escolas é agora de ansiedade, com a corrida ao cumprimento das centenas de regulamentações que desabam todos os dias do Ministério para os docentes lerem, interpretarem e aplicarem. Uma burocracia inimaginável, que devora as horas dos professores, em aflição constante para a conciliar com uma vida privada cada vez mais residual e mesmo com a preparação das lições, em desnorte com as novas normas [...] - tudo isto sob a ameaça da despromoção e do resultado da avaliação que pode terminar no desemprego. [...]
No processo de domesticação da sociedade, a teimosia do Primeiro Ministro e da sua Ministra da Educação representam muito mais do que simples traços psicológicos. São técnicas terríveis de dominação, de castração e de esmagamento, e de fabricação de subjectividades obedientes."
José Gil, in Visão, 2 de Outubro de 2008

Lobo Veloz disse...
É engraçado ver como em tanto professor ninguém votou no Governo.
Se calhar houve foi cagada eleitoral
Cada país e cada grupo tem o governo que merece.
Devíamos era lutar nas bases, nos departamentos, nos pedagógicos e nas escolas. Essa parte do poder está no nosso lado, mas em 95% das escolas está tudo a fazer o que é mandado. Onde está a nossa capacidade reactiva? Não é só ir protestar na rua e depois na escola "papar" a interpretação de meia dúzia de "iluminados" do CP e Exec.
Vejo muita gente a manifestar-se nas ruas, e a deixar que nas suas escolas sejam propostas metas, sejam definidos critérios completamente subjectivos. Esta parte da "cagada" é nossa responsabilidade. Pensem nisso!

odnamra disse...
Os comentários de mero carácter publicitário (seja do que for) não serão publicados.
CONCERTEZA!
MAS.... NÃO SÓ...
MR.E
por mim...
eu nem copo nem pasto
cago e ando.....
retira isso, pá
saudações
QUEM SÓ SABE DIZER ISTO ... MAIS VALIA ESTAR CALADO!

Anónimo disse...
E eu que tenho dois filhos pequenos,levanto-me e levanto-os às 6.30 da manhã, deixo-os com outras passoas, porque o jardim de infância está fechado, perco 1h e 30 m de caminho para fazer 100km ( 200km num só dia e 3h perdidas por dia) para poder fazer o que realmente gosto, dar aulas. Gasto por mês 400euros em gasoleo.
Ao chegar lá EM VEZ DE DAR AULAS!!!!! TRATO DE PAPEIS E VOU A REUNIõES. ISTO SEM VER CONVOCATÓRIA, SEM VER ORDEM DE TRABALHOS SENDO AVISADA QUASE À HORA!!!! E O GRAVE É QUE TODOS os colegas VÃO ÀS REUNIÕES nesta condições.
DEPOIS DISTO TUDO, ÀS 18,19 20 OU 21H É QUE ME PONHO A CAMINHO PARA PODER VER OS MEUS FILHOS.
O QUE SE PASSA NO NOSSO PAÍS É UMA VERGONHA!!!!!!
NÃO PODEMOS SER PROFESSORES E MUITO MENOS PAIS. CUIDAMOS DOS FILHOS DOS OUTROS O MELHOR QUE PODEMOS, MAS DOS nossos O PAÍS, O GOVERNO NÃO DEIXA!!!!.
DEVIAMOS TODOS É COLOCAR OS NOSSOS FILHOS À PORTA DO SRº ministro e da srª da má educação CHAMAR OS DIREITOS INTERNACIONAIS, E DIZER QUE O NOSSO PAÍS ESTÁ VIOLAR OS DIREITOS DAS CRIANÇAS, NESTE CASO OS DOS FILHOS DOS PROFESSORES, UMA VEZ QUE NOS ESTÃO A OBRIGAR, A DEIXAR DE SER PAIS E A CONTRIBUIR PARA A EXISTÊNCIA DE FAMILIAS DISFUNCIONAIS, QUE HÁ POUCAS EM PORTUGAL!!!!!
COLEGAS, NÃO SEI O PREÇO QUE IREI PAGAR PELA FALTA QUE FAÇO AOS MEUS FILHOS MAS VAIS SER CARO DE CERTEZA.
AGORA AINDA QUEREM AUMENTAR A ZONA DE CONCURSO EM 4 QZPs, JÁ AGORA ENTREGAMOS OS FILHOS PARA ADOPÇÃO PORQUE NEM UM LAR PODEMOS DAR. SALTAR DE UM LADO PARA O OUTRO NUM RAIO DE 350 KM É DE QUEM NÃO SABE O QUE ANDA A FAZER!!!!! SINTO-ME COMPLETAMENTE INDIGNADA COM ESTE PAÍS DA TRETA!
FORÇA COLEGAS !!!!

Aires Montenegro disse...
Apesar de tudo sinto orgulho por muitos de nós se recusarem ao "escuto e obedeço" das 1001 Noites! Mas é preciso ousar desobedecer!. Eu sou dos que começaram antes do 25 de Abril, e não tinhamos medo! Não o tenhamos hoje, também. Tenho mais de 40 anos de serviço, esperava continuar porque sempre gostei da escola, mas agora não gosto. É pena. É triste. Mas acredito que isto vai dar uma volta, porque os Professores não são moluscos, têm brio e dignidade, o que falta aos que neste momento mandam neles!
Aires Montenegro - Baltar

miranda disse...
Acontece que estou um pouco farta de anónimos. Digamos que também me irrita tanta gente a fingir que não vai utilizar o que já elaborado está. Já não falando da debandada de professores cinquentinhas e cinquentões que deixaram o ensino e deram um belo presente ao Ministério; sai mão de obra mais cara,sem reforma por inteiro, entra mão de obra barata, receosa, que lutará menos porque está e estará na corda bamba. Além de que, como sabemos, saiem dois e entra um,quando entra.
A verdade é que terei 36 anos de serviço em Novembro, tenho 57 de idade, ando por vezes perdida (por vezes...eh!eh!eh!), ajudo e sou ajudada, vou ficar porque quero e não tenciono entrar em histeria nem deixar que me destruam. Era o que faltava.
E agora vou-me embora.
Vera Castanheira Nunes

Anónimo disse...
Acabei de tomar conhecimento do Blogue. Gostei de muito do que li.Tb estou nesta canoa "furada", tb sofro, stresso-me e vivo em permanente ansiedade ( ñ mt pelo injusto e complicado processo de avaliação, pois como tenho quase 32 anos de serviço e estou no 10ª escalão, má sorte se viesse a regredir) mas porque sempre amei e me dediquei de corpo e alma à minha função de professra e em prol dos meus alunos; não me conformo com o q está a acontecer a nível de EDUCAÇÃO no n/ país. Estamos a formar os homens de amanhã, mas n temos tempo, nem condições para o fazer,...temos é q dar conta de toda uma quantidade de burocracia, que com o "simplex" nos abrasa os poucos neurónios que a alguns de nós ainda restam (confesso q embora me sinta em perfeitas condições para dar aulas ( q é o q supostamente devia fazer)não tenho a menor paciência para aturar tanta reunião (das quais raramente saío antes das 10,30h / 11 h da noite), desenvolver tanto trabalho para depois ir parar ao lixo e recomeçar td de novo, isto porque, reconheço agora,ter cometido a 2ª maior burrice na minha vida profissional que ao concorrer a Titular. O governo conseguiu!!!!!!! os professores não vão mais beneficiar de uma reforma, porq na sua maioria, não chegarão lá; mais novos e menos novos, vivem num constante stress, numa permanente ansiedade com tanta invenção dos q n sabem sequer o q é a realidade das nossas escolas. "Assim, acabaremos com Eles e nem será preciso por cada dois, q saia, colocar um...porq Eles tb não são mais necessários, quantos mais ignorantes formarmos, mais fácil será roer-lhes as entranhas". Nós professores somos para este governo e para esta ministra -uma espécie a abater!!!! Haja Plano Tecnológico!!!!haja compadrio!!!vamos embolsar mais uns milhares...q se cuidem q nós cuidaremos de acabar com a sanidade mental a um por um. Como poderemos dar a volta?...só se nos unirmos e dissermos BASTA, nós somos bastantes, é só necessário termos a coragem para "abortar esta aberração" de ministério. Quem se preocupa com os alunos q estudam e trabalham e querem ser alguém?...ninguém!!!!!!!!!! fingimos q existem apoios para os q dele necessitam, mas temos as salas cheias de crianças q precisam de ajuda qd n existe sequer um professor, para além do titular de turma, para os ajudar! Que raio de politica é esta q só engana, mente,...e q pais são estes q se conformam com o facto de deixar q td permaneça na mm há anos?Não me importo com as criticas aos q mantem o anonimato, o q é preciso é q as verdades sejam ditas, com ou sem os nomes, temos o direito, ainda, de nos protegermos, não vá o diabo tecê-las.

Anónimo disse...
Mto obrigada pelo favor que está a prestar a inúmeros professores. Quando vi as suas fichas, fiquei mto mais tranquila. É que já não tenho idade nem paciência pra esta chatice toda! Ainda por cima sou Coordenadora de Depart. o que quer dizer que vou ter de avaliar os colegas.Dou aulas há 35 anos e nunca tive de fazer tanta papelada! LIVRA!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...
O que está em causa, porque quem manda são os especialstas do "eduquês", é a aprovação sumária e expedita de todos- mas mesmo todos- os alunos. Os professores não devem ensinar, mas aprender com o saber-fazer dos "formandos". Há mais ciência numa bica bem tirada, ou na indisciplina saudável, que não é o mesmo que violência, dos jovens estudantes ávidos de melhorar a aprendizagem do que em todo o conhecimento literário e científico de toda uma geração de professores oriundos da pequena burguesia que urge conduzir à condição proletária, mãe de todos os saberes e competências! Pormenores, como a avaliação de professores, não passam de prmenores...

Antonio disse...
Loureiro
Calma colegas, desde o inicio do processo isto da avaliação foi uma fantochada da ministra.Ela não percebe nada de educação, Agora naquilo em que muito boa a roubar-nos o dinheirinho. A avaliação não existe,o que está em causa, e isso ela conseguiu foi asfixiar a carreira de um professor, ou seja conseguiu o trabalhinho barato . Isto é aquilo que nos deviamos preocupar, agora a avaliação é mais um preenchimento de uns papeis ridiculos.Claro que o que vai trabalhar mais uma horas nas nossas escolas são as fotocopiadoras para entregarmos as fichas que no fundo vão ser todas iguais.

acostagomes@gmail.com disse...
Olá, Colegas.
Bisbilhotei o blogue e, como venho sentido há mais de um ano, há um enorme descontentamento e uma autência depressão profissional. Não tenho soluções mágicas. Estou aposentado há um ano mas mantenho-me muito atento a quanto se passa. É ridículo!.... Recebi de muitos colegas um mail que descreve a vida escolar (assim como a avaliação) em vários paises europeus e verifiquei que o nosso sistema só tem paralelo com o Chileno. Incrível!... Quero dizer-vos que, mesmo nos últimos anos de docência, mantive-me renitente em preencher certos papeis por não ver qualquer finalidade nos mesmos. Há dois anos, pelo Natal (não no final do ano), quando me queriam obrigar a justificar 5 ou 6 negativas resolvi o problema de um modo muito simples: "querem notas para as estatísticas? Então dou positivas a todos". E o assunto terminou. Como foi afirmado acima, muitas vezes, "não podemos ser mais papistas que o papa". O melhor que se pode fazer é o tal "copy paste", é inventar objectivos muito bonitos, mesmo soberbos. Tentar dar as aulas o melhor possível. Quem não quiser participar/aproveitar/aprender manda-se dar uma "voltinha" até fora da porta para tomar um pouco de ar, mesmo sem marcar faltas. Faltas? Para quê? Os meninos passam na mesma...
Cuidado: não entrem em pânico. Custa imenso ouvir colegas, que foram para o ensino por paixão, gostam dos miúdos, adoram o que fazem mas, agora, detestam a escola e dizem: nunca mais chega a aposentação!... A tal "sinistra"- acho que deviam registar a patente- não estará lá muito tempo. Nós podemos mandá-las governar a casa dela. Basta que não votemos PS. Já agora aconselho outra coisa. Eu que sempre votei PSD também não estou apaixonado por eles. A menos que Ferreira Leite tenha algum "coelho na cartola". Acho que, para cumprir o meu dever de cidadão, vou para um partido pequeno.
Sinceramente, desejo saúde força mental a todos os docentes na mesma mesdida em que o desejo a minha filha que está no mesmo barco.
Com amizade, Costa Gomes

Anónimo disse...
Peço desculpa pela mudança de assunto, mas como tenho lido comentários muito pertinentes, aproveito para questionar: Um aluno autista a frequentar o 1º Ciclo, tem direito a uma auxiliar da acção educativa para o apoiar no decorrer das actividades lectivas? Qual o decreto-lei? Obrigada

Anónimo disse...
Amigos, está na hora de deixarmos de ser uns cordeirinhos e andarmos todos em fila a preencher papeis e a dizer "sim senhor". Somos professores e não escriturários.
Temos de ter tempo para preparar as nossas aulas de forma a que os nossos alunos possam aprender melhor. Eu vou boicotar a avaliação até às ultimas consequencias, nem que tenha de mudar de profissão. Mas a mim não me vergam! Tenho o meu orgulho profissional, e não foi para isto que andei a estudar. È uma vergonha para nós andarmos a ensinar os nossos alunos a lutar pela sua vida, pelos seus direitos, quando nós não fazemos o mesmo. Temos de nos unir, temos de aprender a dizer NÃO! Para mim chega, não vou preencher nem mais um papel que não seja o plano de aula!

IG disse...
Enfim , temos, nós os professores, o que merecemos!
Imbecis pretensiosos com a mania que cada um é melhor que o outro, papel, papel, copia , faz colagens..... e treme, treme perante o avaliador que deve ser ainda mil vezes pior que tu! Competência inata criada pela Lurdinhas que também ministra com iluminismo inato medieval.
Que fazer? Rir de nós próprios que consentimos neta aberração!
Oremos!!!

Anónimo disse...
EU CONCORDO QUE TODOS DEVIAMOS LECCIONAR E PREOCUPARMO-NOS EM FAZÊ-LO BEM E ABANDONAR ESTE PREENCHIMENTO DE PAPEÍS DEFINITIVAMENTE MAS DEVIAMOS SER TODOS SEM EXECEPÇÃO.
NINGUÉM MAIS SE DEVE PREOCUPAR COM ESTA AVALIAÇÃO!
BOM, ESTOU CONVICTO QUE QUEM AINDA NÃO CONCLUIU QUE ESTA NÃO É EXEQUÍVEL, VAI CONCLUÍ-LO AOS POUCOS À MEDIDA QUE TENTAR EXECUTAR E NÃO CONSEGUIR.
QUANDO LI A LEGISLAÇÃO A PRIMEIRA VEZ LEMBEI-ME DO ANTIGO RDM QUEM FOI TROPA ANTES DO 25 DE ABRIL DE 74 LEMBRAR-SE-Á DIZIA-SE QUE QUEM ELEBOROU O RDM SE MATOU A SEGUIR POR ACHAR QUE NÃO CONSEGUIA CUMPRI-LO! SERÁ QUE QUEM ELABOROU A LELISLAÇÃO SOBRE ESTA AVALIAÇÃO DE PROFESSORES JÁ PENSOU EM SE SUICIDAR! PODE FAZE-lo PORQUE DE CERTO NÃO É CAPAZ DE CUMPRI-LA! OU DE DIZER COM SE CUMPRE.



COMENTÁRIOS DO "COPY PASTE 2: OBJECTIVOS INDIVIDUAIS E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO"

Anónimo disse...
Objectivos individuais
Eu comprometo-me a empenhar-me na campanha eleitoral contra o Sócrates.
Comprometo-me a reduzir o número de votos no Sócrates da maioria absoluta para segundo lugar (pelo menos).
Comprometo-me a fazer tudo para levar ao descrédito as leis do Sócrates contra os senhores professores.
Comprometo-me a falar mal do Sócrates e da Lurdes, perante os alunos.

Vice disse...
Eu ainda não percebi como posso ser avaliada por uma componente lectiva, que tenho no horário como apoio e não consigo cumprir, porque sou vice presidente(pré escolar) não posso ter turma e estou no conselho executivo muitas horas para além do do meu horário. Quem me vai avaliar pelo trabalho e tarefas que me foram atribuidas no conselho executivo? Podem existir duas avaliaões? Onde está a ficha para os objectivos no c. executivo? GOSTAVA QQUE ALGUÉM ME ESCLARECESSE já que a legislação enfim...

Rita disse...
Obrigada pelos copy paste do ensino especial !
Mas ainda quero que esta avaliação não vá em frente!
Assim não se pode ser professor!
Eu quero ser professora de Educação Especial numa escola pública, inclusiva e solidária!
um abraço Rita

Anónimo disse...
Eu já fui avaliada o ano passado, se este ano fosse identico menos mal, porém através dos parâmetros que nos querem avaliar é um absurdo, pois parece que estamos a fazer de novo estágio. Colegas isto não pode ser.

Anónimo disse...
Não me deixam ser professora. Passei a manhã a ler documentos e a única conclusão a que cheguei é que já não preparo aulas, não corrijo e estou a tempo inteiro a tentar perceber o que querem de mim. Professores temos estado todos a dormir!!!

Anónimo disse...
Com ou sem avaliação, acho que já cheguei ao meu limite! Já não sei fazer nada, nem na escola nem fora da escola! Já não sei o que sou, nem o que faço e muito menos o que pretendem de mim!...


Anónimo disse...

Será que somos os únicos responsáveis pelo sucesso do ensino? E os pais? E os próprios alunos?
O que me choca verdadeiramente é a filosofia que está subjacente à avaliação ds professores: até agora houve insucesso porque os professores não faziam nada, mas agora vão ser espicaçados e os alunos vão começar de imediato a ter boas notas...
Que gente tão pouco inteligente...

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page