terça-feira, 21 de abril de 2009

O VENTO E O CANAVIAL

Correm ventos fortes sobre o canavial
E os juncos, solitários, rangem, partem, um a um
E nenhum reparou ainda que separados afinal
Não detêm a força que os destroça, não sobrevivendo nenhum

O vento sabe como soprar
E os juncos da terra arrancar ferozmente
E continua a bater e a forçar
Esse grupo duramente

No campo ao lado, as canas juntaram-se
Fazendo do todo um grupo só
E com as suas forças entrelaçaram-se, amarraram-se,
Debatendo-se contra o temporal que perdeu contra esse nó

No primeiro campo tudo ficou desfeito
Tudo ficou deserto, inerte, vazio,
No segundo, as canas viçosas ergueram-se do rio, no leito,
Aquecendo-se umas às outras e esquecendo do vento a força e o frio

E o vento não voltou
Nem olhou para trás
Porque a derrota saboreou
E soube que a União de tudo é capaz


(adaptação de uma lenda/conto tradicional)

Delfim Peixoto,

Sem comentários:

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page