sábado, 9 de maio de 2009

BIZARRO E MAIS DO MESMO

BE levou caso ao Parlamento
Destituição em escola de Fafe é uma história toda em tons de "rosa"

09.05.2009 - 18h31 Graça Barbosa Ribeiro

O caso que o BE levou ontem ao Parlamento, com um pedido de esclarecimento à ministra da Educação, é invulgar. Não apenas por se tratar da demissão do coordenador de uma escola básica de Fafe, mas, também, porque todos os protagonistas detêm cargos de relevo no PS local.

A história parece linear. No dia 26 de Abril, depois de inaugurar em festa duas bibliotecas, o presidente da câmara, o socialista José Ribeiro, dá com a terceira quase vazia. Na escola de Quinchães estavam, contando com os elementos da sua própria comitiva, 13 pessoas. Enfureceu-se. "Logo ali, no discurso, avisei que ia querer explicações!", disse ontem.

E elas chegaram: Lopes Martins, o presidente da junta eleito numa lista independente, informou que ninguém o incumbira de promover a inauguração. "Não temos nada a ver com isso. São coisas lá deles", reforçou, quando contactado pelo PÚBLICO. O director da escola, Pedro Ribeiro, forneceu mais dados ao presidente da câmara.

Conta o autarca que Pedro Ribeiro - que foi presidente do conselho executivo antes de se tornar director - o informou de que abrira um inquérito, para averiguar o que se passara. Mas que, entretanto, dotado que está dos poderes conferidos pelo novo modelo de gestão, destituíra já o coordenador da escola do 1.º ciclo do ensino básico, que perdera a sua confiança por não ter feito os convites a pais, professores e alunos, como lhe fora pedido. A esta situação reagiu publicamente o autodenominado "representante dos pais", Ivo Cunha, que denunciou o que considera "um linchamento político".

Explicou ontem ao PÚBLICO Ivo Cunha (membro da comissão política concelhia do PS) que o presidente da câmara foi adversário, em eleições internas, do actual líder da Federação do PS de Braga, Joaquim Barreto. E que o coordenador da escola que foi destituído, António Barros, não só apoiou este último, que é presidente da Câmara de Cabeceiras de Basto, como faz parte da distrital do PS. Já o director do agrupamento - que mandou dizer, face às insistentes tentativas de contacto, que "não presta declarações" - é deputado socialista da Assembleia Municipal de Fafe.

Para Ivo Cunha não há dúvidas: "Isto é vingança por o António Barros ter apoiado o Joaquim Barreto." Mas o presidente da câmara garante que não: "Que enorme disparate!", exclamou, assegurando que "se alguém se portou mal nesta história" foi o coordenador da escola, António Barros, que não fez os convites, acusa, "por ter confundido questões pessoais com assuntos institucionais". E fez questão de explicar que o desentendimento entre ambos "é anterior às divergências partidárias": "O Barros zangou-se, em 2005, porque não garanti emprego à filha dele, que fez estágio profissional na Câmara de Fafe e trabalha agora na autarquia de Cabeceiras de Basto", cujo presidente é líder da distrital, disse. António Barros não quis prestar declarações.

In Público.

Sem comentários:

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page