domingo, 2 de agosto de 2009

É TUDO MUITO BONITO NO PAÍS COR-DE-ROSA

Professores com salários em atraso

Dezenas de professores de Aveiro que este ano leccionaram Actividades de Enriquecimento Curricular nas escolas do 1.º Ciclo de seis freguesias ainda não receberam os ordenados de Maio e Junho e o subsídio de assiduidade.

Setenta e quatro professores das Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC) que deram aulas em escolas do primeiro ciclo de seis freguesias de Aveiro têm salários em atraso (meses de Maio e Junho e o subsídio de assiduidade). A Direcção Regional de Educação de Educação do Centro (DREC) ainda não enviou para a Câmara de Aveiro a terceira prestação anual que permitirá pagar 88 mil euros aos docentes de Actividade Desportiva, Expressões, Inglês e Actividades Experimentais.

Fonte oficial da Câmara de Aveiro confirmou, ao JN, que a última tranche da DREC ainda não chegou à autarquia, que assim não pode transferir o dinheiro (122 mil euros), para a Associação da Comunidade Educativa de Aveiro (ACEA), sediada na EB 2,3 de S. Bernardo, responsável pelo pagamento aos professores e pela dinamização das AEC nas escolas das freguesias de S. Bernardo, Oliveirinha, Cacia, Aradas, Esgueira e N. Sra. de Fátima.

Fernando Delgado, gestor da Associação da Comunidade Educativa de Aveiro, lamenta a situação em que se encontram os 74 professores mas reconhece que a associação nada pode fazer enquanto não receber a verba da DREC. Glória Leite, presidente do Conselho Executivo da EB 2,3 de S. Bernardo, lembra que os atrasos na transferência de verbas são frequentes e que só não prejudicam os professores porque a associação "tem adiantado o pagamento".

Segundo professores contactados pelo JN, a média mensal auferida por cada docente ronda os 500 euros por mês, dinheiro ganho pelas 8 a 14 horas que trabalham semanalmente nas escolas. Alguns, nomeadamente os que continuam a estudar, têm neste vencimento a única forma de rendimento, uma situação delicada, de tal forma que a ACEA no portal interno aconselhou os professores a darem baixa de actividade nas Finanças de forma a não pagar a Segurança Social visto que não estão a receber. Em média cada professor tem a receber cerca de 1200 euros.

O JN questionou a DREC sobre a situação, mas não obteve resposta.

In Jornal de Notícias.

2 comentários:

Paulo S. disse...

Sobre este assunto há a acrescentar esta notícia recente do Diário de Aveiro:

Actividades de Enriquecimento Curricular

Ministra diz que é impossível professores estarem sem receber

Luis Ventura (Diário de Aveiro)

A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, garantiu ontem que é “impossível haver professores sem receber os seus salários”.

Questionada pelo Diário de Aveiro sobre o atraso de dois meses nos ordenados dos professores que leccionaram Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC) em escolas de Aveiro, a governante assegurou que “isso não acontece no Ministério da Educação”.

Maria de Lurdes Rodrigues, que visitou duas secundárias da cidade de Aveiro, argumentou que “as escolas têm a sua dotação de transferência a tempo e horas e pagamos os salários a tempo e horas”.
Falando no final da visita à Escola Secundária Mário Sacramento, sustentou mesmo que “o Ministério da Educação tem também as suas transferências em dia com as câmaras municipais e não temos nenhum problema desse género de salários”.

Embora reconhecendo que não conhece a situação em concreto, garantiu que “isso é impossível”.

A ministra explicou também que o sistema “funciona com todo o rigor há muitos anos, porque é importante para a sua própria estabilidade”. “Pode ter a ver com qualquer instituição, mas com o ministério, garanto que isso é impossível”, concluiu sem margem para dúvidas.

As declarações de Maria de Lurdes Rodrigues deixaram incrédulo um das várias dezenas de professores que estão sem receber os seus salários. “A ministra está a fugir à verdade, porque não recebemos há mais de dois meses”.

O docente, que pediu para não ser identificado, lastimou as declarações da ministra e a situação em que se encontra, porque “há colegas que estão em dificuldades, já que esta é a sua única fonte de rendimento”. Esta será a primeira vez que os professores foram para férias sem receber os vencimentos referentes a Maio. De resto, o professor contactado pelo nosso jornal conta que já pediu esclarecimentos à DREC – Direcção Regional da Educação do Centro, mas nunca obteve resposta.

Fonte da Câmara de Aveiro confirmou o atraso na recepção dos cerca de 120 mil euros destinados à regularização dos salários dos professores que leccionaram as AEC nas escolas de S. Bernardo, Oliveirinha, Cacia, Aradas, Esgueira e Nossa Senhora de Fátima.

Anónimo disse...

A notícia refere 88 000 € de dívidas aos professores, mais à frente fala-se de 122 000 € que a associação tem a receber.

Os cerca de 34 000 € que sobram vão para onde?

E como tem a associação possibilidades de "adiantar os pagamentos" como diz a Glória Leite em citação na notícia?

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page