sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A "SOLUSPENSÃO"

O que tivemos hoje, na Assembleia da República, foi uma "soluspensão": uma suspensão que não chegou a existir para uma solução que não chegou a sê-lo ou, se se quiser, uma verdadeira suspensão da solução.

O resultado da apresentação, discussão e votação dos diversos projectos apresentados na Assembleia da República, com vista à suspensão do actual modelo de avaliação docente e ao fim da divisão da carreira, foi importante para a escola pública e para os docentes portugueses, mas não correspondeu de todo às justas expectativas dos professores. Houve avanços, mas não foram evitados alguns recuos. Nem tudo foi mau, mas não ficou ainda nada claramente resolvido.

De facto, o "Compromisso Educação", posto em marcha pelos movimentos independentes de professores, revelou-se ter sido um dos factores decisivos no que foi agora conseguido, embora um pouco aquém do que seria expectável. Quem, há um ano, admitia a possibilidade de acabar com a divisão da carreira docente? Quem, aquando da introdução do "simplex", julgou ser possível acabar com este modelo de avaliação?

O MUP empenhou-se numa campanha difícil - criticada por muitos - contra o "PS de Sócrates". Os resultados eleitorais permitiram um novo desenho parlamentar e impossibilitaram o PS de prosseguir, no seu autismo e teimosia, as desastrosas políticas educativas, evitando que destruísse por completo a escola pública e, sobretudo, cilindrasse os professores.

CDS-PP, BE e PCP, honrarando os seus compromissos com os professores, apresentaram e defenderam propostas que visavam, de facto, pacificar definitivamente as escolas e criar um clima propício para que se possa encontrar um modelo de avaliação adequado e renegociar um estatuto de carreira docente digno. Os professores estão-lhes gratos e não esquecerão!

O PSD, certamente em virtude de ser um partido com "cheiro" de poder, não cumpriu totalmente os seus compromissos. Pior do que isso, ao querer transmitir a imagem pública de partido de soluções, acabou por não ser ainda a solução definitiva que se esperava. Pode ter querido conquistar muito eleitorado que se revê na política educativa introduzida pelo PS, mas perdeu, certamente, muitos professores que lhe deram o seu voto.

Queira-se ou não, o problema da avaliação não ficou definitivamente resolvido. Ao PSD deve-se, assim, a não suspensão imediata de um modelo assumidamente medíocre, injusto, burocrático e punitivo. Ao PSD deve-se o refrear de muita tensão, mas não o alcançar da tranquilidade e serenidade necessárias, no imediato, nas escolas portuguesas.

Em suma, saudamos os passos que hoje foram dados, que levam ao fim da divisão dos professores em duas categorias e que abrem a porta a um novo modelo de avaliação. Não ficámos tranquilos com a continuidade, mesmo que a prazo, de alguma incerteza que continua a afectar o dia-a-dia de muitos professores.

Congratulamo-nos com as posições do CDS-PP, do PCP e do BE. Sinceramente, não gostámos da mãozinha dada, pelo PSD, ao partido que criou o mais nefasto clima nas escolas portuguesas e que tem um nome: "PS de Sócrates"!

7 comentários:

profsesmontejunto@gmail.com disse...

Concordo inteiramente com a reflexão apresentada!
É absolutamente imperioso encontrar soluções e, quaisquer que sejam, já deviam ter vindo. Este adiar faz perder tempo precioso para a reorganização das escolas e para a (re)instauração de um melhor ambiente de trabalho.

Anónimo disse...

Não podia estar mais de acordo!

celeste caleiro disse...

Temos que continuar atentos e intervir quando é preciso, os sindicatos têm a bola na mão!E não se esqueçam que os sindicatos somos nós.Estejamos atentos, continuemos alerta. Não confiem totalmente nos sorrisos...

Anónimo disse...

Caro Ilídio

Concordo com tudo. Esta solução não tranquiliza e aqueles senhores falharam ... pior o PS agora sente-se confortável para "engonhar" ou cozinhar soluções tais que entre umas e outras venha o diabo e escolha

Anónimo disse...

Então o Mário N já admite que a avaliação tenha efeitos nos concursos?

odnamra disse...

O Centrão a funcionar!
Nunca mais votes no PSD.
Eles são iguais ao PS.
Não têm palavra. A palavra deles é de mentirosos e politico aldrabões!
Nesta avaliação que não foi suspensa, fica muita injustiça feita pelos oportunistas, ditos professores, que se aproveitaram para obterem muito bom e excelente, já que os outros estavam a lutar para que eles no futuro venham a ter uma valiação justa e imparcial.
Devia ser tudo anulado,
para que se pudesse começar uma nova avaliação limpa.
Assim ficarão sempre as nódoas!

Alda disse...

Infelizmente tinha razão. O PSD não era de confiança para merecer o meu voto... Tenhamos esperança, mas... não esqueçamos a vigilância dos partidos mas, igualmente, dos sindicatos.

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page