terça-feira, 22 de dezembro de 2009

VENI, VIDI, VICI

OI’S – Afinal…

Concluiu-se um processo. Como não podia deixar de ser. Fez-se alguma justiça dentro de um procedimento injusto – o modelo que se impôs implementar neste 1º ciclo de Avaliação de Desempenho dos Professores.

Impôs-se implementar, num dado momento, noutro já não pode ser assim. Porque tudo o que começa acaba e foi breve o momento em que tudo se lhes foi permitido. Até a ilusão de que podiam ultrapassar a Lei ou a Constituição.

Mas não.

Abusus non est usus, sed corruptela.

Não foi necessário mais demandas do que esperar que justiça se fizesse por si mesma. Tende a acontecer quando há algum equilíbrio. Gaia, a Grande Mãe, Deusa da Terra, é sensata, cuida desse eterno equilíbrio onde a justiça é um dos valores fundamentais.

Ainda assim e analisando certos procedimentos nesta última recta final, este gorgolhar moribundo, estertor definitivo, especíiicamente no que respeita ao caso dos professores que não entregaram Objectivos Individuais e no meu caso concreto, foi ainda necessário enviar à Direcção uma minuta com um pedido de esclarecimentos e o resultado da AD (artº 61 do CPA) uma vez que o sr. Director considerou dúbio o conteúdo da mensagem da Sra Ministra da Educação no que respeitava a este assunto. Teria, assim, 10 dias para responder. E assim o fez, como não podia deixar de ser.

Recebi uma carta simples pelo Correio com o resultado da minha avaliação e um post-it amarelo com a mensagem manuscrita: “Por favor, devolver o original ao Agrupamento. Obrigado”. …

Tive Bom com 10, sem OI’s entregues. (não aproveitei a oportunidade para pedir para ser avaliada em duas aulas assistidas – avaliação da componente pedagógica)

Os meus colegas que, como eu, não entregaram OI’s, obtiveram a mesma classificação (também não aproveitaram a mesma oportunidade).

Não faço mais comentários. Não são necessários…

Acabo apenas afirmando que, para mim, sempre foi límpido o caminho a percorrer, por duro que se apresentasse. Se num primeiro momento fiquei contente com este desfecho, num outro fiquei vazia e invadiu-me a tristeza.

Preferia que tudo isto nunca se tivesse passado. Preferia que tudo isto nunca se tivesse podido passar…

Veni, vidi, vici sim, só para que se saiba, só para que não se esqueçam…

Porque a História tende a repetir-se.


Sílvia

Professora, com muita honra

1 comentário:

MFerrer disse...

Porque a história tende a repetir-se?
Olha a novidade!:
Porque nesta época era costume cumprir-se o ritual das visitas...
"A minha intuição dizia-me que uma atitude defensiva face aos obstáculos criados pela Assembleia da República não compensava. Procurava então contra-atacar e tornear as dificuldades criadas. Alertava o País e acusava a oposição de obstrução sistemática e de querer impedir o Governo de governar. A oposição, por seu lado, acusava o Governo de arrogância, de seguir a táctica de guerrilha com a Assembleia e de manipular a opinião pública contra ela. [...]

Face à acção dos partidos visando descaracterizar o orçamento [...], o Governo procurou dramatizar a situação, convicto de que isso jogava a seu favor. A seguir ao “Telejornal” do dia 8 de Abril fiz uma comunicação ao País através da televisão. Denunciei as alterações introduzidas na proposta do orçamento apresentado pelo Governo, as quais se traduziam em despesas públicas desnecessárias, aumento do consumo e benefícios para grupos que não eram os mais desfavorecidos da sociedade portuguesa. Procurei mostrar aos Portugueses como era errado e socialmente injusto forçar o Governo a decretar do preço da gasolina, uma clara interferência da Assembleia na área da competência do Executivo, que ainda nunca antes tinha sido feita. Para tornear as dificuldades criadas e para os que objectivos de progresso propostos pelo Governo pudessem ser ainda alcançados, anunciei na televisão um conjunto de medidas compensatórias visando, principalmente, contrariar o excesso de despesa e de consumo induzido pelas alterações feitas pela oposição. O meu objectivo, ao falar ao País sobre o orçamento, era também o de passar a mensagem de que o Governo atribuía grande importância ao rigor na gestão dos dinheiros públicos.

A mensagem de que a Assembleia obstruía sistematicamente a acção do Governo passou para a opinião pública. O Governo, sendo minoritário, surgia como a vítima e acumulava capital de queixa: queria resolver os problemas do País e a oposição não deixava. A oposição não percebeu que, tendo o Governo conseguido evidenciar uma forte dinâmica e eficácia na sua acção, a obstrução ao seu trabalho não a beneficiava. O PS revelava dificuldade em ultrapassar os ressentimentos pelo desaire sofrido nas eleições de Outubro de 1985 e o seu comportamento surgia-me como algo irracional. O Governo e o PSD procuravam tirar partido da situação e alertavam a opinião pública para as estranhas convergências entre o PS e o PCP na Assembleia da República.’
Aníbal Cavaco Silva, "Autobiografia Política. Vol. I" (Temas e Debates, 2002, pp.144-145)

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page