terça-feira, 26 de janeiro de 2010

PROPOSTA PARA UM PROBLEMA QUE URGE RESOLVER

O MUP saúda esta iniciativa do Bloco de Esquerda que, esclarecidamente, percebeu que o novo modelo de gestão é um entrave ao normal funcionamento de muitos estabelecimentos de ensino e um foco de conflitos e compadrios de que a escola não pode ser exemplo!
Quanto ao fim do "muito bom", do "excelente" e das "quotas" na avaliação de desempenho, trata-se de uma simples questão de bom-senso e clarividência, que o Ministério e o PS não quiseram ter, para uma avaliação um pouco mais séria.
Esperamos que os restantes partidos da oposição apoiem esta iniciativa.


Bloco de Esquerda vai apresentar proposta de alteração ao modelo de gestão escolar

O Bloco de Esquerda (BE) vai propor, em breve, alterações ao modelo da gestão escolar, de forma a que os cargos de coordenação intermédia sejam eleitos pelos professores e os directores deixem de presidir automaticamente ao conselho pedagógico.

Em declarações hoje à agência Lusa, a deputada bloquista Ana Drago anunciou que o partido já está a trabalhar nesta matéria e que a proposta de alteração será entregue na Assembleia da República "a breve trecho", ainda durante a discussão do Orçamento de Estado.

"Parece-nos muito importante que a presidência do conselho pedagógico seja um cargo eleito e não automaticamente do director da escola. São estes espaços de democracia que consideramos fundamental reganhar dentro da gestão escolar", justificou a deputada.

Segundo Ana Drago, que falava após uma reunião com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), as escolas deviam voltar a ter a possibilidade de escolher entre um director e um conselho executivo colegial.

Por outro lado, acrescentou, o BE vai propor ainda que "os cargos de coordenação e responsabilidade intermédia passem a ser eleitos pelos professores" e não designados pelo director.

"Estamos a assistir a uma partidarização das escolas, com inúmeros casos de intromissão dos poderes municipais nas nomeações", acrescentou.

Quanto ao modelo de avaliação de desempenho, o Bloco de Esquerda assumiu "o compromisso" junto das estruturas sindicais com quem reuniu de "acabar" com a existência de quotas para atribuição das classificações de "Muito Bom" e "Excelente".

"A manutenção das quotas parece-nos absolutamente inaceitável. O modelo de avaliação deve ser credível por mecanismos próprios e não pelo estabelecimento de quotas", afirmou.

O BE considera que o modelo será "impraticável", tendo em conta a necessidade de os professores requererem a observação de aulas para acederem às classificações mais elevadas.

"Como está ligado directamente à progressão na carreira, milhares de professores vão pedir a observação de aulas, sem que haja capacidade do sistema educativo para o fazer", afirmou, defendendo que este procedimento seja "facultativo".

O partido vai aguardar que o acordo de princípios assinado entre Governo e sindicatos seja traduzido em diploma legal, para depois apresentar propostas de alteração ao modelo.

No entanto, Ana Drago considera que existe "um espaço de discussão que deve ser retomado" em torno desta matéria, tendo em conta que "o PSD disse ser contrário às quotas" e que o CDS-PP "também parecia inclinado nesse sentido".

In Público.

Sem comentários:

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page