quarta-feira, 9 de junho de 2010

O DDT TECNOCRÁTICO

Por Santana Castilho *

Algo sério terá que acontecer neste país para nos livrarmos de tanta leviandade e incompetência
________________________________________

O Governo resolveu fechar 500 escolas do 1.º ciclo do ensino básico, por terem só 20 alunos. No ano passado e pela mesma razão, prometeu exterminar 4500, quase 60 por cento das existentes então. Anunciou ainda a morte de mais 400, sempre com o olho no alvo: 20. Até nas universidades, 20 deu o mote: cursos com menos de 20 alunos têm vindo a ser liminarmente pulverizados. Porquê 20? Por que se finam 20 e subsistem 21? Tratem os esotéricos das razões, que só podem ser cabalísticas. Vejamos, por ora, premissas e consequências do que está na mira do Governo.

Portugal tem um problema seriíssimo de desertificação do interior e de perda alarmante de vitalidade demográfica. Este problema não se combate, certamente, fechando escolas, maternidades e centros de saúde. Também não se soluciona mantendo-as abertas, a qualquer preço, até ao último resistente. Por isso, a racionalização da rede escolar, como pomposamente o Governo classifica as suas medidas arbitrárias, deveria ser corolário do planeamento do país, a longo prazo. Na ausência de tal referencial estratégico, as intervenções seguidas são meros expedientes para poupar trocos com as aldeias. Entre muitos, dois elementos de ponderação são esmagadores: temos 40.000 professores sem emprego, cuja formação significou um investimento da ordem dos 1200 milhões de euros; e temos uma injustificável dependência alimentar do exterior porque não valorizamos a agricultura. Qualquer orientação de futuro para Portugal passa pelo incremento dos níveis de formação das pessoas e pela modernização e valorização da agricultura, para que deixemos de importar o que comemos. Só estes dois factores de análise, tratados por governantes humanos e cultos, pô-los-ia a trabalhar no sentido de fazer aumentar as populações do interior em vez de as gazear com DDT tecnocrático.

Em muitos locais, o fecho da escola fará desaparecer o derradeiro serviço público ainda aberto. Aumentará o número de crianças de tenra idade apartadas diariamente da família, algumas deslocadas pela segunda vez. Invocando falta de condições nas escolas de origem e em nome duma igualdade que os promotores destas políticas não permitiriam que fosse aplicada aos seus próprios filhos ou netos, centenas de crianças serão obrigadas a sair de casa de madrugada e a percorrer todo o concelho de autocarro.

Em 2003, um decreto-lei, o n.º 7, mandou que em cada concelho se elaborasse uma carta escolar. O objectivo era iniciar o reordenamento da rede nacional das escolas, por recurso ao conhecimento local. Onde estão esses documentos, que careciam de aprovação das assembleias municipais? Não era o PS, agora no governo, adepto da regionalização? Os cidadãos têm o direito a falar, mas não o direito a serem ouvidos. Esmagados pela realidade do andar para trás e amedrontados pela bancarrota anunciada, estão à mercê do imediatismo de quem governa. Numa democracia autêntica, os cidadãos têm uma consciência forte dos seus deveres e dos seus direitos e os governantes respeitam-nos. Mas quando à fragilidade dessa consciência se junta o convencimento messiânico de quem manda, a democracia reduz-se a simples retórica de hemiciclo.

A ignorância do primeiro-ministro classifica de criminosa a manutenção das pequenas escolas. Mas é ele o criminoso pedagógico, não só quando as fecha cegamente mas quando, do mesmo passo, cria centros escolares que poderão albergar uma multidão de 3000 alunos, dos 5 aos 18 anos. Não cabe no âmbito desta crónica fazer uma citação bibliográfica dos inúmeros estudos sobre as consequências das instituições de ensino de tamanho desumano, como estas que envaidecem Sócrates. Mas existem, são unânimes nas conclusões e permitem prever o que se segue: aumento exponencial da violência escolar; gradual perda do sentido de pertença à sua escola por parte dos alunos; diminuição imediata dos custos com salários de professores e consequente aumento, a prazo, dos custos por aluno; aumento pernicioso da competição entre docentes e, numa palavra, retrocesso no clima organizacional da escola pública.

A insanidade que domina a gestão educacional é diluviana: a ministra dos sorrisos acha avançado que um cábula passe do 8.º para o 10.º ano sem frequentar o 9.º, enquanto um estudante sério não tem tal direito; uma arquitecta da Parque Escolar foi além da sua chinela e veio ensinar aos indígenas como eu, professores há mais de 40 anos, o que é uma escola de futuro, uma "learning street", como lhe chama (PÚBLICO de 7.6.10), "... uma escola descentrada da sala de aula, em que os alunos se espalham por espaços informais, com os seus computadores portáteis, cruzando-se com os professores na biblioteca..."; e uma inspecção moribunda e inútil terminou o inquérito às circunstâncias que rodearam o suicídio do professor Luís concluindo "que não há factos merecedores de censura jurídica disciplinar que justifiquem a instauração de procedimentos disciplinares", mas recomendando "uma resposta legalmente adequada e célere às participações apresentadas por todos os elementos da comunidade educativa", o que significa reconhecer que se incumpriu a lei quando o malogrado Luís se queixou, em vão, das sevícias de que se sentia vítima, mas que não vale a pena responsabilizar ninguém.

Algo sério terá que acontecer neste país para nos livrarmos de tanta leviandade e incompetência.

*Professor do ensino superior (s.castilho@netcabo.pt)

In Jornal Público.

6 comentários:

celeste caleiro disse...

Como sempre espectacular!E ninguém ouve este senhor?A imagem que deu das crianças a serem deslocadas para grandes centros escolares(?)fez-me lembrar os campos de concentração...e parei para respirar fundo.
Andamos nós a celebrar o centenário da república para quê?Acabaram com os ideais da época!
Vamos ao ddt e rapidamente. Ninguém vai conseguir ser professor...aquele que ensinava alguma coisa a alguém, lembram-se?
O faz de conta é cada vez maior...
Vamos passar a ser pré-históricos,deve ser isso.

celeste caleiro disse...

Já comentei, mas não consta...censura?

Anónimo disse...

Ando algo desanimada com os posts do MUP nestes últimos tempos.

Com tanto que há para dizer, o MUP limita-se a publicar notícias já publicadas, sem quaisquer comentários pessoais por parte do autor do blogue. Aliás, é dos poucos blogues sobre educação, onde não há análises às notícias publicadas.

Penso que seria interessante ler o que pensa o Ilídio sobre algumas das notícias que se sucedem a ritmo intenso e que muito vão penalizar as nossas escolas. O MUP, como movimento que teve bastante palco e onde tantos professores depositaram alguma esperança, não pode ser um mero "reprodutor" de notícias publicadas.

Falta de tempo do autor do blogue ou outro qualquer motivo?

Peço desculpa pelo desabafo, mas é o que sinto.

J.A.

Anónimo disse...

É necessário um novo 25 de Abril, que acabe de vez com a pandilha que nos tem (des)governado nos ultimos 12 anos! Os parasitas são cada vez mais e já só resta a cereja...que o resto foi prás urtigas! Educação, Saúde,Segurança Social, Justiça Social é...Vergonha Nacional.O futuro das gerações vindouras está seriamente hipotecado e não há culpados? Povo de Portugal,uni-vos!Não nos resignemos.Contra os canhões...marchar...marchar.Todos juntos e a uma só voz!

Anónimo disse...

Compreende-se, até certo ponto, o encerramento de escolas com poucos alunos (o critério parece se o número 20), especialmente por questões de natureza economicista.
No entanto, qualquer discurso que fundamente tal decisão (do fecho das escolas) por questões ou razões de outra ordem, afigura-se-me como meramente demagógico. "Demagogia" é, aliás, o conceito que caracteriza a forma como este governo de Sócrates se relaciona e relacionou, desde o início, com os portugueses. Veja-se, a título de exemplo, as razões invocadas para o fecho das maternidades e das urgências. Tudo menos razões economicistas! Em suma: o discurso governamental caracterizou-se, desde sempre, pela "manipulação" da opinião pública. Pela "retórica negra". Não pela procura da verdade. Dito de outra forma: a dimensão ética da política tende a desaparecer definitivamente. Não importa a VERDADE. Importa "persuadir" com "falácias" e "sofismas" a população. Conduzir, cegamente, a população para aquilo que se pretende. A nós compete-nos, essencialmente, ABRIR os olhos.
Quanto ao ensino e às políticas educativas facilitistas, como o caso das passagens do 8.º para o 10.º ano, duas notas: em primeiro, só se compreende tal medida pelo facto de uma retenção ser mais dispendioso para o país do que o inverso (mais uma vez, a questão economicista); por outro lado, com esta medida, viola-se toda e qualquer lei da Psicologia/Pedagogia, nomeadamente o reforço positivo e negativo. De facto, de que vale estudar se um "cábula/chico esperto" me passa à frente sem o menor esforço?! Pensando melhor, mais vale reprovar ou então ir para as "Novas Oportunidades". Até se ganha dinheiro e faz-se aquilo com uma perna às costas! Já começa a haver casos de desistência no 12.º para ir para as Novas Oportunidades! Novas Oportunidades? Para quem?! Enfim. Como é que querem um país competitivo? Assim?!
Aos jovens/estudantes fica aqui um apelo/conselho, que pode parecer conservador/bacoco mas não deixa de ser útil:
o caminho mais FÁCIL não é, por vezes, o MELHOR. Tudo requer esforço e trabalho. A preguiça morreu à sede no meio da água e é irmã gémea da pobreza. Acreditem.

Anónimo, pelo sim, pelo não.
Abraços

fisga disse...

Se me der licença, subscrevo o “DDT tecnocrático”
Este Senhor diz tudo e pronto. Inconveniente no conteúdo e na forma que usa (acessível a qualquer estrato social). Só que, à sua passagem, as águas voltam a fechar-se em remoinho abrupto, enroladas e intempestivas porque viciadas e submissas à podridão que outros despejam de forma obsessiva- compulsiva.. E o comportamento das gentes do país é o habitual ´assobiar para o ar´, como se ninguém tivesse dito nada, tivesse alertado, se tivesse incomodado em chamar a atenção e explicado os condimentos e os perigos da situação.
E assim tudo continua na mesma, e até pior ainda. Sem que a população se mexa, dê um sinal suficientemente explicito sobre o que pensam do que o senhor diz e do que, tão didacticamente, desmonta. Sem sequer haver sinal de concordância ou discordância pela exposição a que o senhor se sujeita quando, é minha convicção, o faz em prol de nós todos. Estão à espera de quê? Que seja o senhor, só porque ´dá a cara´, a ter responsabilidade singular da execução das mudanças que refere e analisa mas que interferem com todos os cidadãos?!..Esta maneira de ser, bem portuguesa, causa-me calafrios. Pela minha parte, Muito Obrigada e Bem-Haja, Sr Professor Santana Castilho. Ao ouvi-lo fico com um ponto de referência essencial para o exercício que faço de apreciação pessoal sobre mim própria, para mim um hábito de regulação e vivência: ao não me sentir sozinha nesta leitura, o senhor faz-me acreditar que, afinal, ainda não terei perdido de vez o juízo e a minha capacidade de auto-discernimento. Coisa muito boa nos tempos que correm, porque já me tem acontecido é duvidar de mim própria..

Desde 01-01-2009


Este blog vale $140.000.00
Quanto vale o seu blog?

eXTReMe Tracker

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Twingly BlogRank
PageRank
Directory of Education Blogs

RSSMicro FeedRank Results
Add to Technorati Favorites
Locations of visitors to this page